Prefeitura cede à pressão e anuncia Carnaval 2019 de Maringá na Zona 10. Impasse, agora, é com protetores de animais

Por: - 27 de fevereiro de 2019
Prefeitura recuou e transferiu o local da festa para a Avenida Reitor Rodolfo Purpur / PMM

Na tarde de terça-feira (26/2) a assessoria de imprensa da Prefeitura de Maringá confirmou a programação do Carnaval 2019 de Maringá no estacionamento próximo as obras do Terminal Intermodal, no Novo Centro, onde aconteceu o Pré-carnaval, no sábado (23/2).

Atenção, nesta quinta-feira (28/2), o prefeito Ulisses Maia anunciou o cancelamento do Carnaval de Rua.

Na manhã desta quarta-feira (27/2), a administração municipal mudou o discurso. Cedeu à pressão de vereadores, forças de segurança e moradores do bairro e anunciou que a folia vai ser realizada na Avenida Reitor Rodolfo Purpur, na Zona 10. É o mesmo espaço, batizado de Sambrando, que a prefeitura ofereceu para a iniciativa privada fazer a festa.

Porém, no local escolhido, funciona há cerca de 12 anos a ONG Dignidade Animal, que atende mais de 200 cães. Durante coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (27/2) o secretário de Cultura, Miguel Fernando, disse que os animais vão ser transferidos até quinta-feira (28/2), mas os voluntários da ONG afirmaram que não saem do local se a prefeitura não disponibilizar estrutura suficiente para abrigar os animais.

Uma das voluntárias da ONG, Mari Cunha, que presta serviço na organização há quase nove anos, disse que todos os voluntários foram pegos de surpresa com a decisão da prefeitura. Eles só ficaram sabendo que o Carnaval 2019 de Maringá seria transferido para a região por meio dos veículos de comunicação, após a prefeitura anunciar publicamente a decisão.

De acordo com ela, a ONG Dignidade Animal tenta há cerca de sete meses junto à prefeitura um novo espaço para atender os animais. O problema das instalações atuais é a grande quantidade de pombos, escorpiões e ratos na região. “A gente que tem que correr atrás de ração e remédio, mas muitas vezes não damos conta. Em média, são 400 quilos de ração por semana, se não tivesse os ratos e os pombos 100 quilos dariam”.

No mês passado, a organização e o município chegaram a um acordo sobre o lugar, mas não há estrutura para atender os animais. Mari disse não acreditar que os animais serão transferidos do local. “Nem todos os animais ficam juntos e outros não podem ficar presos. Tem que haver uma estrutura adequada, não é simplesmente jogar os animais de qualquer jeito e pronto”.

A voluntária afirmou que se depender dos protetores animais o Carnaval não será feito na região. O pedido é que a prefeitura transfira o local da festa para o Parque de Exposições Francisco Feio Ribeiro ou para o antigo aeroporto. A ONG e outros ativistas ligados a causa animal avaliam a possibilidade organizar um protesto nesta quinta-feira (28/2), às 12h.

Uma representante da ONG entrou em contato com o Maringá Post por volta das 17 horas e, após reunião com o vice-prefeito Edson Scabora (PV), ele teria se comprometido a ir até o local, nesta quinta (28/2), às 12 horas, para ajudar a equacionar a situação.

Prefeitura pretende viabilizar novo local para abrigo

O secretário de Cultura, Miguel Fernando, explicou que o município já estudava uma saída para resolver o problema com a ONG Dignidade Animal desde quando foi lançado o edital que pretendia terceirizar a folia e transferir parte do Carnaval para a Zona 10. Para resolver os problemas enfrentados nas instalações atuais, o município iria ceder uma nova estrutura para a organização.

Agora, o vereador Flávio Mantovani (PPS), que é ligado a causa animal, vai intermediar a negociação entre a prefeitura e a entidade. O vereador disse que o novo local para que a ONG possa desenvolver as atividades já foi definido. Segundo ele, são necessárias pequenas adequações, como a construção de alambrado e a ligação de água, que serão feitas pela prefeitura, para que a estrutura possa receber os animais.

“Estava decidido que o abrigo iria sair de lá, mas não estava programado para ser feito a toque de caixa. Agora, a gente vai correr contra o relógio”, disse o vereador. Ainda nesta quarta-feira (27/2) ele vai se reunir com titulares de diversas secretarias para definir como as adequações no novo local serão feitas.

Mantovani defendeu a posição do abrigo e reafirmou que os animais só devem sair de lá se houver estrutura para recebê-los. Porém, ele disse acreditar que será possível fazer as adequações e transferir os animais para que o Carnaval ocorra na região. “O prefeito falou para os secretários se empenharem ao máximo e ele é um dos mais interessados que isso aconteça”.

Foliões serão revistados para entrar no local

Na terça-feira, o Maringá Post questionou a assessoria de imprensa da prefeitura que informou que a festa ocorreria no Novo Centro, no mesmo local onde foi realizado o Pré-Carnaval no sábado (23/2). Segundo a assessoria, a prefeitura estudava apenas a possibilidade de cercar o local com grades e concentrar a entrada de foliões em um único ponto.

Durante a coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, o secretário de Cultura, Miguel Fernando, informou a mudança do local da festa para a região da Zona 10. O local é o mesmo onde a prefeitura pretendia terceirizar parte folia, mas não conseguiu interessados da iniciativa privada para fazer a festa.

Ele explicou que o trecho da Avenida Reitor Rodolfo Purpur entre as Avenidas Colombo e Horácio Racanello será fechado com grades. Fernando também disse que a segurança privada será reforçada no local. Anteriormente, a prefeitura havia contratado 30 seguranças, mas pretende ampliar esse número para 100.

O acesso pela Avenida Colombo será permitido somente para os organizadores e veículos de emergência. Os foliões vão entrar e sair por um único ponto, na Avenida Horácio Racanello, onde serão revistados. Como o Maringá Post já havia informado, as pessoas poderão levar bebida alcoólica, mas não será permitida a entrada com garrafas de vidro. Menores de idade só poderão entrar acompanhados de adultos.

Apesar das mudanças, a programação do Carnaval, que começa na sexta-feira (1/3) e vai até terça-feira (5/3), continua a mesma. O bloco “Bumbum de Ouro”, que seria responsável pelo segundo dia de pré-Carnaval na cidade, participa no sábado (2/3) no novo local anunciado pela prefeitura.

Trecho da Avenida Reitor Rodolfo Purpur entre as avenidas Horácio Racanello e Colombro será fechado
  • Reportagem atualizada na quarta-feira (27/2), às 17h, com informações do vereador Flávio Mantovani (PPS) sobre as ações do município para resolver o impasse com a ONG Dignidade Animal e com a informação sobre a reunião de representantes da ONG com o vice-prefeito. A segunda atualização foi feita às 20h50 desta quinta-feira (28/2) com o link para a reportagem que fala do cancelamento do Carnaval de Rua. 

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.