Home office: uma revolução diante do coronavírus?

O modelo de trabalho home office cresce e conquista mais espaço a cada dia. Afinal de contas, a partir dessa modalidade, o funcionário realiza as suas atividades cotidianas em casa, mantendo a comunicação com a equipe por meio de canais digitais. 

No entanto, essa não era uma tendência comum no país. E com o surgimento da crise, com o compartilhamento de suas vantagens, o Brasil seguiu a novidade:

Estima-se que até o final de 2020, 90% das organizações ofereçam alguma modalidade a distância, exceto em atividades essenciais, como a empresas de manutenção de chiller ou indústrias do ramo alimentício, segundo o próprio IBGE.

O isolamento social gerado pelo novo coronavírus (Covid-19), que tinha na noite de quarta-feira (7/9) 127 mil casos confirmados no Brasil, aumentou o número de empresas que se adaptam ao home office como uma maneira de reduzir o contágio do vírus. 

Afinal, os grandes centros empresariais ou até mesmo pequenos negócios aglomeram um grande número de pessoas. Diante desse cenário, conheça as empresas que adotaram o trabalho remoto e como o home office funciona na prática. 

Empresas que adotaram o home office

O Brasil e o mundo adotaram o home office como uma maneira de seguir as recomendações dos órgãos de saúde. Sendo assim, empresas nacionais e internacionais propagam essa prática como um meio de reduzir o nível de contágio do vírus. 

O BNDS (Banco Nacional do Desenvolvimento) liberou o trabalho remoto logo no início da quarentena. Além disso, funcionários que estavam de férias ou que viajaram a trabalho para qualquer país do mundo tiveram que manter o isolamento social durante 15 dias. 

Em contrapartida, a corretora XP Investimentos decretou o home office para todos os profissionais da equipe. A decisão aconteceu depois do segundo caso do novo coronavírus em colaboradores da empresa. O mesmo com alguns departamentos de indústrias de manutenção de aquecedor a gás, entre outros.

Nos Estados Unidos, o Google recomendou a todos os funcionários executarem as atividades de casa.

Assim como a Amazon, que também adere ao home office. A sede da organização fica em Seattle, em Washington, um dos estados mais afetados pelo covid-19, nos EUA. 

O home office na prática

Embora as vantagens do home office sejam inimagináveis, muitas empresas ainda sentem algum receio quanto essa modalidade. 

Segundo um estudo realizado pela consultora americana de Recursos humanos Liz Ryan, a resistência é caracterizada pela falta de confiança dos gestores nos próprios colaboradores. 

Além disso, há líderes que não confiam em si próprios para manter o fluxo de trabalho. Diante desse cenário, é possível que o gestor imagine que o funcionário que está trabalhando em casa está na verdade realizando outras atividades de lazer. 

Pensando nisso, os líderes, por sua vez, podem imaginar que o colaborador esteja, inclusive, realizando alguma tarefa mecânica, como a instalação de uma lona de caminhão, por exemplo.

No entanto, uma pesquisa da IBM publicada na Revista de Ciências Vocacionais dos EUA, em 2003, apontou que o colaborador tem um melhor desempenho trabalhando em casa, resultando no aumento da produtividade e na melhor entrega de resultados. 

Entretanto, ainda segundo a pesquisa, existe um lado negativo relacionado ao home office: a falta de convívio social e a junção da vida pessoal com a profissional. E aí, gostou do nosso post? Conta pra gente!

Esse artigo foi escrito por Rafaela Ricardo, Criadora de Conteúdo do Soluções Industriais.

Últimas vagas de Empregos