Após convocação para retorno ao trabalho, 51% dos ônibus da TCCC circulam nesta segunda

Por: - 15 de fevereiro de 2021
TCCC
Paralisação dos trabalhadores do transporte coletivo começou há uma semana / Divulgação

Nesta segunda-feira (15/2), alguns motoristas retornaram ao trabalho e aumentou o número de ônibus nas ruas de Maringá e região. O diretor-geral da empresa Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC), Roberto Jacomelli, informou que o dia começou com 43% da frota da TCCC e 15% da Cidade Verde em circulação.

Segundo Jacomelli, o número foi ampliado, ainda durante a manhã, para 51% da TCCC e 25% da Cidade Verde. No domingo (14/2), as empresas convocaram os motoristas para que retornassem ao trabalho, sob pena de adoção das medidas legais cabíveis a atos de insubordinação, indisciplina, desídia e abandono de emprego.

As empresas consideram a ordem liminar expedida pela Justiça do Trabalho contra o sindicato da categoria, que determina a manutenção do transporte coletivo com no mínimo 70% do contingente de motoristas. No comunicado, as empresas citam a liminar que estabeleceu multa para quem impedir ou dificultar o acesso às dependências das empresas, inclusive garagens e terminal central.

A TCCC e a Cidade Verde afirmam que a motivação para a paralisação, na segunda-feira (8/2), foi o pagamento parcial do salário do mês de janeiro. As empresas alegam que realizaram o pagamento integral do salário ainda na segunda-feira e que a demanda foi atendida, sem a necessidade de continuar com a paralisação. Confira o comunicado na íntegra.

A paralisação dos motoristas do transporte coletivo começou há uma semana. Além do pagamento integral dos salários, demanda que foi atendida pelas empresas, os trabalhadores pedem a renovação do acordo coletivo de trabalho, o pagamento da participação nos lucros e/ou resultados, entre outras demandas.

Em nota, o Sinttromar, sindicato que representa os trabalhadores do transporte coletivo, afirma que “não está na organização desta greve, que foi iniciada de forma espontânea pelos motoristas do transporte coletivo urbano e metropolitano após a TCCC atrasar o salário de janeiro”.