Deixei que partissem de mim as feridas como se fossem cônsules arraigados na antipatia;
Eu teimava em minha queixa amalgama e cadenciava meu ritmo de vida, em um segregado espaço de reservas ao desconexo passado e parte ao laborioso presente.
Assim passei a permitir me esvaziar da dúvida, parando de vez de me aprofundar na mácula das insígnias;
De cada pensamento em vão criei alento; subsídio para meu espanto.

Luiz Renato Vicente é acadêmico de Filosofia da UEM (Universidade Estadual de Maringá). Vencedor de duas Edições do Prêmio Melhor Leitor do Ano pela Rotary Club Internacional e Semuc. 2017 ( 2º lugar) e 2019 ( 1º lugar) na categoria adulto. Autor do Livro Desamparo ( Micro-Contos) Pela AR Publisher Editora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here