Câmara de Maringá confirma audiência pública sobre câmeras nas escolas nesta segunda-feira. Debate começa às 19 horas. Maior polêmica é a transmissão em tempo real

Por: - 24 de junho de 2018
Secretária de Educação, Valkíria Trindade, é sabatinada na Câmara Municipal / Câmara de Maringá

A Câmara de Maringá confirmou para a noite desta segunda-feira (25/6) a audiência pública que vai debater a instalação de câmeras nas escolas municipais e dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs).

proposta é assinada pelos quinze vereadores e tem sido defendida pela Secretaria Municipal de Educação. No entanto, o projeto encontra resistência junto ao Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar) e ao Conselho Municipal de Educação.

Há dois pontos polêmicos no projeto sobre as câmeras nas escolas. A instalação dos equipamentos dentro das salas de aula e, principalmente, a disponibilização das imagens em tempo real aos pais dos alunos cadastrados.

No que diz respeito à gravação nos pátios e portões de acesso e ao armazenamento das imagens, para uso em casos específicos, há concordância dos interessados.

“Somos favoráveis a instalar câmeras nas áreas externas, mas dentro da sala de aula não. Os professores e alunos têm o direito a ter a imagem protegida”, defendeu a presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar), Iraídes Baptistoni, em entrevista recente ao Maringá Post.

Em sabatina na Câmara Municipal, no mês de maio, a secretária de Educação Valkíria Trindade se posicionou a favor da instalação de câmeras de segurança dentro e fora das salas de aula em todas as escolas municipais e CMEIs.

“A Seduc é a favor, mas não que as imagens fiquem disponíveis 24 horas on line, expostas para toda comunidade, porque também tem que preservar a unidade escolar”, afirmou.

Ela defendeu que as imagens fiquem “resguardadas e arquivadas para em caso de alguma denúncia, possam ser usadas em favor do próprio servidor e da criança.”

Sobre a implantação do projeto, que não dependeria de autorização do Poder Legislativo, Valkíria afirmou que vai aguardar o debate. “Não posso verticalizar a questão”, pontuou.

Veja o que diz o projeto sobre as câmeras nas escolas

O texto assinado pelos quinze vereadores prevê que as câmeras de vídeo sejam instaladas dentro e fora das salas de aula e que os pais tenham acesso online às imagens.

Veja abaixo o que diz a íntegra da proposta.

PROJETO DE LEI Nº 14226/2017

Dispõe sobre a instalação de câmeras de vídeo, com dispositivo para gravação de imagens e áudios, nos estabelecimentos pertencentes à rede pública municipal de educação e ensino do Município de Maringá e dá outras providências.

Art. 1.º O Chefe do Poder Executivo promoverá a instalação de câmeras de vídeo, com dispositivo para a gravação de imagens e áudios, nos estabelecimentos pertencentes à rede pública municipal de educação e ensino do Município de Maringá.

§ 1.º Todas as salas de aulas dos estabelecimentos deverão dispor do equipamento indicado no caput deste artigo.

§ 2.º As câmeras de vídeo também deverão ser instaladas em pontos estratégicos das áreas internas e externas dos estabelecimentos de educação e de ensino do Município.

Art. 2.º As filmagens deverão ser armazenadas pelo prazo de 90 (noventa) dias, sob a responsabilidade da direção do estabelecimento, findo o qual poderão ser apagadas.

Art. 3.º As imagens deverão ser disponibilizadas em tempo real aos pais dos alunos cadastrados junto à Administração Municipal, através de aplicativo próprio.

Art. 4.º Cada câmera de vídeo deverá possuir sinalização, através de placas indicativas, informando que o ambiente está sendo filmado.

Art. 5.º As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão à conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 6.º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 7.º Fica revogada a Lei n. 8.938, de 06 de junho de 2011.

Plenário Vereador Ulisses Bruder, 30 de maio de 2017.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.