Câmara de Maringá vota nesta terça-feira pedido de cassação do vereador Mário Verri (PT), que deu um tapa no Soldado Pessuti e levou um soco

Por: - 21 de maio de 2018
Foto do Soldado Pessuti que acompanha a denúncia protocolada às 13h48 desta segunda-feira (21/5)

Na sessão da Câmara de Maringá desta terça-feira (22/5) deverá ser lido e votado o quarto pedido de cassação de um vereador da atual legislatura. Todos os pedidos de criação de Comissão Processante (CP) se deram por denúncias de quebra de decoro parlamentar.

Desta vez o fato gerador do pedido foi uma troca de tapa no rosto e soco na boca entre o vereador Mário Verri (PT) e o policial militar Nelson Roberto Pessuti Filho, conhecido como Soldado Pessuti.

O entrevero ocorreu ao final do desfile cívico de 71 anos da cidade, na segunda-feira (14/5) da semana passada e a denúncia foi protocolada na Câmara às 13h48 desta segunda-feira (21/5).

O presidente da Câmara, Mário Verri (PP), disse no final desta tarde que seguirá o Regimento Interno, que estabelece que denúncias contra vereadores devem ser lidas e votadas na primeira sessão seguinte ao protocolo.

Um grupo do Patriotas do Brasil, do qual Pessuti faz parte e que promoveu a manifestação em defesa do juiz Sérgio Moro durante o desfile de aniversário de Maringá, acompanhou o denunciante na formalização do pedido de abertura de CP.

A denúncia solicita a apuração de três acusações ao vereador: proferir injúrias aos munícipes durante a sessão da Câmara do dia 22 de fevereiro de 2018, agressão física ao denunciante e incitação à violência por meio de declarações nas redes sociais.

O documento contém links de gravações de sessões da Câmara, reproduções de conversas em páginas do Facebook, nota de repúdio dos Patriotas do Brasil ao vereador e exemplos de casos semelhantes ocorridos em outras cidades do país que resultaram em punição dos acusados.

Na denúncia de 14 páginas são arroladas como testemunhas do Soldado Pessuti a advogada Cassia Denise Franzoi e Fernando de Amorim Pinho, que teriam presenciado os fatos e participam do movimento Patriotas do Brasil.

Versões de Verri e Pessuti têm começo semelhantes

Segundo as versões dos dois envolvidos, Verri deu um tapa no rosto do soltado Pessuti, que revidou com um soco e atingiu o braço e a boca do adversário. Quanto ao que aconteceu antes das agressões físicas, há divergências entre o vereador e o soldado.

É público que os dois militam em grupos ideológica e politicamente opostos. Enquanto Verri é um dos expoentes do PT em Maringá, Pessuti se tornou conhecido pelas postagens nas redes sociais com severas criticas ao partido do ex-presidente Lula, condenado por Moro.

Das quatro denúncias por falta de decoro protocoladas na Câmara, apenas a que foi feita pelo PV contra o vereador Homero Marchese prosperou.

No dia 5 de outubro de 2017 a denúncia foi aprovada por 13 votos a 3. O vereador está filiado ao Pros, mas à época pertencia ao próprio PV. A CP está suspensa por ordem judicial liminar.

A segunda denúncia foi feita pelo corretor de imóveis Felício José Duarte Alves Cyrino contra o vereador Carlos Mariucci, também do PT, que não foi aceita. Por 10 votos a 2, os vereadores não se dispuseram a investigar o caso da Cooperativa Habitacional Central do Brasil (Coohabras).

Em 2016, a Cohabras, sob a liderança de Mariucci, lançou um projeto de construção de casas populares a preço de custo. Conseguiu centenas de adesões mediante pagamento de taxa de adesão e de mensalidades, porém nenhuma unidade foi construída até hoje.

Outro pedido de abertura de Comissão Processante, contra o presidente da Casa, Mário Hossokawa (PP), também foi rejeitado pelos vereadores.

  • Procurados pela reportagem durante a tarde desta segunda-feira (21/5), o vereador Mário Verri e o Soldado Pessuti não atenderam e não retornaram as ligações.

Reportagem atualizada às 20h15 com a informação de que um pedido de abertura de Comissão Processante contra Mário Hossokawa também foi arquivado. 

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.