Jorge Guaranho segue hospitalizado; ele deve ser preso após receber alta

Jorge Guaranho

Jorge Guaranho está internado desde o dia 10 de julho. Ele responde por homicídio duplamente qualificado contra Marcelo Arruda.
Foto: Redes sociais

O policial penal Jorge Guaranho, acusado de matar o ex-tesoureiro do PT, Marcelo Arruda, continua no hospital, após médica que o acompanha pedir nova avaliação. A previsão era que o policial tivesse alta nesta sexta-feira (5).

A Justiça do Paraná determinou prisão preventiva para Jorge Guaranho e que ele seria transferido ao Complexo Médico Penal de Pinhais assim que recebesse alta do hospital. Os advogados de defesa solicitaram, como alternativa, a prisão domiciliar, levando em consideração o quadro de saúde de Jorge Guaranho. No entanto, esse pedido foi negado.

O juiz Gustavo Argello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu afirmou que a conversão da prisão preventiva para a domiciliar só aconteceria se Guaranho estivesse “extremamente debilitado por motivo de doença grave”. Também foi determinado que Guaranho seja colocado em cela separada dos demais, como garante a lei ao se tratar de presos integrantes da Administração da Justiça Criminal.

O réu Jorge Guaranho ainda não foi ouvido no processo. É aguardado que ele receba alta hospitalar, para então oferecer a sua versão dos acontecimentos. Porém, a defesa afirma que ele perdeu a memória depois de ter sofrido agressões. Segundo o advogado de Guaranho, ele recebeu vários chutes após ter atirado contra Marcelo Arruda.

As agressões contra o policial penal estão sendo investigadas em outro inquérito. Os autores já foram identificados e ouvidos.