Governo adia prova do PSS para contratação de professores temporários pela segunda vez

11 de dezembro de 2020
As provas do PSS serão aplicadas nas cidades-sede dos Núcleos Regionais de Educação / Seed-PR

A prova do Processo Seletivo Simplificado (PSS) para contratação de professores temporários para a rede estadual de ensino foi adiada pela segunda vez. A avaliação, prevista para ser aplicada em 20 de dezembro, foi transferida para 10 de janeiro de 2021.

Não é a primeira vez que a data do teste sofre alteração. Inicialmente, a prova seria aplicada neste domingo (13/12). Após o pedido de algumas cidades como Maringá e Paranavaí para que a prova fosse adiada e com o aumento no número de casos de coronavírus no Paraná, o governo decidiu alterar a data. A expectativa era que até 20 de dezembro o cenário estivesse mais favorável, o que não ocorreu.Todos os posts

O edital que comunicou o adiamento do teste foi publicado na quinta-feira (10/12) no site do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção de Promoção de Eventos (Cebraspe), responsável pela aplicação da prova. O comunicado informa ainda que o edital de consulta aos locais de provas será divulgado, provavelmente, em 30 de dezembro.

As provas do PSS serão aplicadas nas cidades-sede dos Núcleos Regionais de Educação (NRE). Segundo a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed), 2,3 mil candidatos de 25 cidades devem fazer a prova no NRE de Maringá. Em todo o Estado, 47.008 profissionais se candidataram para a seleção.

O processo seletivo prevê a contratação de pelo menos 4 mil profissionais para lecionar em colégios estaduais em 2021, com possibilidade de ampliação no número de vagas. Os salários podem chegar até R$ 3.720.

O processo de seleção do PSS, até o ano passado, não tinha prova de conhecimentos. Anteriormente, a seleção era feita considerando apenas o tempo de serviço e os títulos dos profissionais.

Para 2020, o governo determinou a aplicação de uma avaliação, de caráter classificatório, composta por questões da área em que o candidato pretende lecionar. Os critérios como o tempo de serviço e a titulação, que eram utilizados nos anos anteriores, ainda fazem parte da seleção.

A direção estadual da APP-Sindicato, sindicato que representa os servidores estaduais da educação, pede a revogação do edital. De acordo com o sindicato, a não realização da prova do PSS  em 13 de dezembro demonstra que o posicionamento da entidade estava correto.

“Não é possível realizar uma prova presencial em meio a pandemia. Não queremos apenas que a prova seja adiada, queremos a revogação do edital 47 e a realização de concurso público”, disse o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão, em comunicado publicado no site do sindicato.

O Governo do Estado afirmou que serão tomadas todas as medidas de segurança e de higiene para a realização da prova. No dia da avaliação, os locais de teste serão higienizados previamente e terão álcool gel à disposição para manuseio de objetos.

Será obrigatório o uso de máscara e todos os envolvidos vão passar por medição de temperatura na entrada. Os candidatos também vão receber orientações para o distanciamento social na chegada e as carteiras terão espaçamento mínimo de 1,5 metro.

O processo seletivo está aberto a todos os profissionais, inclusive aos candidatos do grupo de risco. O candidato será convocado para aulas quando acabar a situação emergencial da pandemia. O processo seletivo terá validade até 31 de dezembro de 2021, podendo ser prorrogado por mais um ano.