Secretário estadual de Saúde avalia como difícil a retomada das aulas presenciais neste momento no Paraná

Por: - 18 de setembro de 2020
Para secretário, retorno deve ocorrer quando números de casos e mortes por coronavírus reduzir 50% / Agência Brasil

As aulas presenciais no Paraná estão suspensas há seis meses e, por enquanto, não há previsão de retorno. Para o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, a retomada neste momento é “epidemiologicamente difícil”.

Inicialmente, o governo havia anunciado possível retorno em setembro, o que não ocorreu devido a disseminação do novo coronavírus no Estado.  

“Estamos aguardando que o número de óbitos possa cair pelo menos metade do que estamos hoje – estamos em um patamar elevado, mas em estabilidade. Se tivermos queda acentuada de 50% no número de casos e óbitos por pelo menos duas ou três semanas, podemos prever essa flexibilização da educação”, disse o secretário em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (18/9) em Maringá. 

Segundo Beto Preto, com a queda no número de casos e mortes, o Estado pode prever para 20 ou 30 dias depois a possibilidade de abertura das escolas. “Acho que o ano escolar 2020 vai ser estendido, não tem prejuízo para os alunos do ponto de vista de reprovação, mas sei da necessidade de fazer com que as aulas voltem, tanto no âmbito privado quanto no âmbito público”, afirmou. 

O vice-governador, Darci Piana (PSD), afirmou que o Estado não pode arriscar e fazer uma abertura  das escolas no momento errado e depois fechar as unidades educacionais novamente.

“É um custo muito alto para preparar todas as escolas e a infraestrutura necessária. De repente, liberar isso tudo e parar de novo vai ter esse custo de novo lá frente. Devemos ter consciência e responsabilidade, primeiro a questão da saúde e segundo a estrutura e custo que vai causar”.   

Procuradores e promotores do Ministério Público Federal (MPF-PR), Ministério Público do Trabalho (MPT-PR) e Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR) se manifestaram contra o retorno às aulas presenciais no Estado neste momento.

No comunicado conjunto emitido na quinta-feira (10/9), eles afirmam que é preciso aperfeiçoar o protocolo elaborado pelo Comitê Volta às Aulas, formado pelo governo estadual.

Professores e funcionários da rede estadual e das redes municipais de ensino de 209 cidades do Paraná aprovaram greve contra a possibilidade de retomada das aulas presenciais no Estado.

Chamada de “greve em defesa da vida”, os servidores filiados à APP-Sindicato se posicionaram contrários à volta às aulas durante a pandemia do novo coronavírus. 

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.