Obras da pista de caminhada do Parque do Ingá começam no trecho a partir do portão 2

Por: - 29 de janeiro de 2020
Após a demolição do piso, a base de concreto será recomposta para receber material emborrachado / Reprodução Facebook Ulisses Maia

As obras da pista de caminhada do Parque do Ingá começaram. Com investimento de R$ 3,9 milhões, o projeto prevê a demolição da pista atual que vai receber uma camada emborrachada semelhante às pistas de atletismo. A retirada do piso foi iniciada no trecho entre o portão 2 do parque e a Avenida Juscelino Kubitschek.

Após a demolição do piso, a base de concreto será recomposta para receber material emborrachado. A área ao redor do parque tem cerca de 3 mil metros de extensão e as obras vão ser feitas numa faixa de 17,8 mil m². A previsão é que a pista de caminhada fique pronta em até oito meses.

Com as obras, o tráfego de veículos e o movimento de pedestres no local serão alterados. O secretário de Mobilidade Urbana, Gilberto Purpur, explicou que a obra vai ser desenvolvida em cinco trechos. Segundo ele, no trecho interditado, os pedestres se deslocam pelo estacionamento ou na primeira faixa de rolamento.

“Para os veículos tèm um estreitamento da pista, mas está bem tranquilo. No local onde começou a obra não tem um grande volume de tráfego”, disse Purpur. O secretário informou que cada trecho, ao ser finalizado com a camada emborrachada, será liberado para a população.

De acordo com Gilberto Purpur, apenas a iluminação vai ser instalada posteriormente. “Como é uma rede interligada, alguns trechos estarão um pouco escuros até que se faça a interligação.” A ideia é que a iluminação também seja instalada por etapas.

A Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), responsável pelo projeto, manteve a proposta original de fazer uma pista de caminhada emborrachada, mas fez algumas alterações na tecnologia utilizada. Além de mais econômica, a nova tecnologia é semipermeável e sustentável. Para a camada de borracha, vão ser reutilizados cerca de 50 mil pneus.

A vegetação rasteira também será mantida junto ao alambrado, o que favorece a absorção da água das chuvas e garante a possibilidade de uso para a higiene de animais domésticos no local.

O projeto da pista de caminhada também contempla os deficientes visuais. Em toda a pista, vai haver sinalização tátil no chão. A intervenção também inclui a substituição e adequação das rampas de acesso para os cadeirantes.

Em alguns pontos no entorno do parque, vão ser criadas áreas de descanso, com bancos, bebedouros e lixeiras. Na Avenida São Paulo, vão ser criados espaços para a instalação dos carrinhos de sucos e lanches, o que vai evitar o conflito de clientes com as pessoas que vão praticar atividades esportivas.

Para quem usa a pista à noite, o projeto inclui iluminação em LED. Para evitar obstáculos, as bases dos postes vão ser colocadas junto ao alambrado.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.