Prefeitura mantém embargo em obra do Bloco 12 da UniCesumar. Polícia ainda não concluiu inquérito sobre morte de aluna

25 de junho de 2019
Local do acidente com morte no Bloco 12 da Unicesumar / Divulgação Defesa Civil

Mais de um mês após o acidente na obra da UniCesumar, que deixou dois operários feridos e provocou a morte de uma estagiária e aluna da instituição, a Prefeitura de Maringá mantém o embargo na obra do Bloco 12. O acidente aconteceu no dia 16 de maio e o inquérito sobre a morte de Natália Meira Celeste ainda não foi concluído pela Polícia Civil. 

Um dos operários, Joelson Trevisan Pires, 27 anos, que sofreu um trauma em face e ficou internado no Hospital Santa Casa durante cerca de um mês, teve alta no dia 14 de junho. O outro trabalhador, Antônio Sérgio Fernandes, 30 anos, teve ferimentos na cabeça e ficou internado no Hospital Universitário (HU) de Maringá durante dois dias, para realização de exames. 

A construção foi embargada pela Prefeitura de Maringá no dia seguinte ao acidente. Oito dias depois, a administração municipal informou, por meio de nota enviada à imprensa, que a “construção do bloco foi iniciada sem o correspondente alvará de projeto e execução”.

Na ocasião, também por meio de nota, a UniCesumar destacou que havia apenas questões administrativas a serem resolvidas para a concessão do alvará. “A instituição declara que o documento é uma medida administrativa e não reflete no ocorrido”, diz trecho da nota.

De acordo com o  chefe de gabinete do prefeito Ulisses Maia (PDT), Domingos Trevizan, o projeto da obra do Bloco 12 ainda está em análise na Secretaria Municipal de Planejamento e Urbanismo (Seplan). “A obra ainda está embargada. É necessário analisar o projeto, aprovar, para depois ter o alvará. Aprovação de projeto é um processo relativamente demorado, ainda mais de um prédio desse porte”, explica.

O Maringá Post entrou em contato com a assessoria de imprensa da UniCesumar, que confirmou que a obra está parada e que a instituição aguarda o laudo.

Natália Meira Celeste era estudante do 4º ano de Engenharia Civil/ Arquivo Pessoal

O acidente aconteceu durante a instalação de lajes pré-moldadas pela Rotesma Indústria de Pré-Fabricados de Concreto LTDA no 5º andar do Bloco 12, que está em construção.

Natália Meira Celeste, 20 anos, era estudante do 4º ano de Engenharia Civil da instituição e estagiária da obra. Ela estava no 2º andar da construção e acabou atingida pelas estruturas que caíram em efeito cascata. A jovem foi levada para a Santa Casa, onde faleceu por volta das 12 horas.

A Polícia Civil de Maringá ainda não concluiu o inquérito sobre a morte da estudante. De acordo com informações do Cartório Chefe da 9ª Subdivisão Policial, é necessário aguardar o laudo da perícia.