Contratação de profissionais e realocação de pacientes são únicas saídas para evitar que CRM impeça trabalho de médicos no Hospital Universitário

Por: - 21 de dezembro de 2018
Reitor da UEM, Júlio Damasceno, informou as medidas na manhã desta sexta-feira em coletiva de imprensa (Imagem/UEM)

Contratar novos profissionais e readequar o fluxo de pacientes que buscam atendimento no Hospital Universitário (HU) de Maringá. Essa é a saída anunciada na manhã desta sexta-feira (21/12) pelo reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Júlio Damasceno, para resolver os problemas apontados pelo Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) no Serviço de Urgência e Emergência da unidade.

Na quinta-feira (20/12), os conselheiros do CRM apresentaram ao reitor e aos diretores do hospital o ato de indicativo de interdição ética da área de Urgência e Emergência. O Conselho constatou a falta de médicos, enfermeiros, material hospitalar, estrutura e deu prazo de 120 dias para que as irregularidades sejam resolvidas.

Se nada for feito, os médicos da unidade serão impedidos de trabalhar e quem desrespeitar a interdição pode responder a um processo ético profissional. O CRM foi informado sobre os problemas da unidade por um grupo de médicos que enviou uma carta ao órgão, em novembro de 2018. As vistorias no pronto socorro ocorreram entre 3 e 5 de dezembro.

Nesta sexta-feira (21/12), o reitor Júlio Damasceno reuniu a imprensa e apresentou relatório que aponta déficit de 139 servidores em 20 cargos do hospital que estão vagos desde 2014. De acordo com o levantamento, o que mais falta na unidade são médicos, ao todo 38, seguido pela função de técnico de enfermagem, com déficit de 33 funcionários.

Para resolver o problema de pessoal, Júlio Damasceno anunciou que pretende intensificar o diálogo com o Governo do Estado para que os 10 profissionais aprovados no concurso de 2014 sejam nomeados. A expectativa é tentar, junto com o governador eleito, Ratinho Júnior (PSD), a permissão para realizar um novo concurso.

“Nós não temos contratação para reposição de profissionais falecidos, exonerados ou aposentados e isso tem causado redução no nosso quadro de profissionais, o que causa vulnerabilidade técnica e ética. Isso induz a erros e atendimento de menor qualidade”, disse Damasceno. Segundo ele, a UEM recebe 60 pedidos de aposentadoria por mês.

Com a falta de profissionais, o hospital tem dificuldades para fechar a escala de plantão. Em novembro deste ano, o déficit de funcionários deixou a Urgência e Emergência da unidade sem cirurgião em um fim de semana. Vítimas de acidente de trânsito ficaram dentro de ambulâncias por duas horas aguardando atendimento. O superintendente do HU, que é urologista, precisou assumir o socorro.

Uma medida adotada pela UEM para suprir a demanda de pessoal é a contratação de profissionais por credenciamento. Porém, Damasceno reconhece que esse modelo de contratação não atende, totalmente, a necessidade do hospital.

Ele explicou que os credenciados trabalham em regime diferente dos outros profissionais e podem escolher, por exemplo, as horas semanais que vão prestar o serviço.

Atualmente, o HU tem 236 credenciados como médicos, fisioterapeutas, entre outros profissionais. O gasto com esse funcionários gira em torno de R$ 1 milhão e o pagamento, de acordo com o reitor, é feito com recursos da própria instituição que deveriam ser utilizados para a compra de medicamentos e manutenção de equipamentos.

Déficit de profissionais no Hospital Universitário

  • Agente de Segurança – 5 profissionais
  • Auxiliar Administrativo – 2 profissionais
  • Auxiliar de Laboratório – 3 profissionais
  • Auxiliar Operacional – 20 profissionais
  • Telefonista – 1 profissional
  • Cozinheiro – 3 profissionais
  • Motorista – 2 profissionais
  • Técnico Administrativo – 10 profissionais
  • Técnico em Enfermagem – 33 profissionais
  • Técnico em radiologia – 1 profissional
  • Administrador – 2 profissionais
  • Assistente social – 1 profissional
  • Bibliotecário – 1 profissional
  • Bioquímico – 2 profissionais
  • Enfermeiro – 9  profissionais
  • Farmacêutico – 1 profissional
  • Médico – 38 profissionais
  • Nutricionista – 1 profissional
  • Pedagogo – 1 profissional
  • Psicólogo – 3 profissionais

Total: 139 profissionais

Serviço de UBS e UPA no Hospital Universitário

Outra medida anunciada pelo reitor é intensificar as reuniões de um grupo de trabalho, que envolve a diretoria do Hospital Universitário, a 15ª Regional de Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde. O objetivo é realocar o fluxo de pacientes para outras unidades e manter no HU apenas casos de média e alta complexidade.

Segundo o superintendente do HU, Vicente Massaji Kira, o pronto socorro realiza cerca de 5 mil atendimentos por mês. Desse total, segundo ele, 70% são casos que poderiam ser atendidos em outras unidades de saúde do município.

“O Conselho Regional de Medicina identificou que nós estamos desempenhando três papéis, de UBS, UPA e de Pronto Socorro, mas nossa vocação é pronto socorro, para casos mais complexos”, ressaltou.

O reitor da UEM, Júlio Damasceno, disse que o grupo “ainda não tem a fórmula” de como esse redirecionamento de pacientes poderia ocorrer na prática. Para isso, será necessário fazer um mapeamento de toda a rede de saúde do município. Mas ele frisou que “em momento algum o hospital vai deixar de prestar o serviço”.

Apesar das medidas anunciadas, o hospital precisa correr contra o tempo para conseguir resolver todos os problemas apontados pelo CRM. De um lado, o reitor da UEM disse acreditar que a interdição não irá ocorrer. “Vamos trabalhar para que a gente garanta condições de trabalho dignas a esses profissionais”.

Para o superintendente do HU, Vicente Kira, “é quase impossível” resolver os problemas apontados pelo Conselho dentro do prazo. “120 dias não vão resolver, mas podemos dar andamento ao nosso trabalho”. Porém, o superintendente alerta que se o Governo não tomar nenhuma providência, a interdição pode ocorrer.



Estudante de Química da UEM é morto em atentado em Maringá. Mais dois jovens ficaram feridos

O jovem estudante morreu na Rua Mandaguari esquina com a Rua Bragança, na zona 7.

Vítima do atentado em Maringá, professor Mima fazia Mestrado na UEM e dava aulas em cursinho de Apucarana

No Facebook, jovem se apresentava com a frase: "Eu tenho um sonho... Isso é tudo que preciso..."

Autor do ataque em pensionato de Maringá conhecia as vítimas e morava na casa há mais de um ano

O enterro da vítima será nesta segunda-feira (18/3), às 15h, no Cemitério Municipal de Conchas, no interior de São Paulo.

Prazo de inscrições para o concurso do Aeroporto de Maringá se encerra na quarta-feira

Os salários variam de R$ 1,49 mil, para auxiliar administrativo e auxiliar de operações aeroportuárias, a R$ 5,72 mil para engenheiro civil.

Agência do Trabalhador de Maringá abre 153 vagas. Tem dez para operador de caixa

Cargos com maior número vagas são de montador de estruturas metálicas, com 16, e soldador, com 11.

Estudante de Química da UEM é morto em atentado em Maringá. Mais dois jovens ficaram feridos

O jovem estudante morreu na Rua Mandaguari esquina com a Rua Bragança, na zona 7.

Vítima do atentado em Maringá, professor Mima fazia Mestrado na UEM e dava aulas em cursinho de Apucarana

No Facebook, jovem se apresentava com a frase: "Eu tenho um sonho... Isso é tudo que preciso..."

Autor do ataque em pensionato de Maringá conhecia as vítimas e morava na casa há mais de um ano

O enterro da vítima será nesta segunda-feira (18/3), às 15h, no Cemitério Municipal de Conchas, no interior de São Paulo.

Prazo de inscrições para o concurso do Aeroporto de Maringá se encerra na quarta-feira

Os salários variam de R$ 1,49 mil, para auxiliar administrativo e auxiliar de operações aeroportuárias, a R$ 5,72 mil para engenheiro civil.

Agência do Trabalhador de Maringá abre 153 vagas. Tem dez para operador de caixa

Cargos com maior número vagas são de montador de estruturas metálicas, com 16, e soldador, com 11.

Empregos em Maringá

Últimas vagas de Empregos

GUIAS