Começam estudos do novo pedágio do Paraná. Viapar garante que conclui obras contratadas até 2021

Por: - 13 de setembro de 2019

Vão começar os estudos para o novo pedágio do Paraná. Nesta sexta-feira (13/9), em Curitiba, foi assinada a ordem de serviço para o início dos estudos das Concessões de Rodovias Paranaenses.

O objetivo é que o novo pedágio do Paraná esteja pronto para entrar em operação logo após o término do contrato do Anel de Integração, em novembro de 2021.

Newsletter Briefing
O que aconteceu de importante em Maringá, todo início de noite no seu email.
Saiba mais ou cadastre-se:

Com sede em Maringá, a Viapar garante que vai concluir todas as obras pendentes até o fim do contrato. “Todas as obras estão previstas para serem entregues antes do fim do contrato”, informou a concessionária em nota.

Sobre a possibilidade de participar da licitação para o novo pedágio do Paraná, a concessionária que administra as estradas na região de Maringá informou que ainda é prematuro para a tomada da decisão.

“A Viapar é uma empresa criada com o proposito especifico para cumprir com o contrato de concessão. A empresa será extinta no termino do contrato, em novembro de 2021. É prematuro saber se o mesmo grupo participaria de uma nova licitação”, informou.

O novo pedágio do Paraná engloba 4,1 mil quilômetros de rodovias estaduais e federais. Os estudos, com previsão de conclusão em nove meses, incorpora ao 2,5 mil quilômetros do Anel de Integração, três importantes estradas estaduais: PR-092 (Norte Pioneiro), PR-323 (Noroeste) e PR-280 (Sudoeste). O futuro leilão também tende a abranger os trechos paranaenses das BRs 163, 153 e 476.

A autorização para início dos estudos foi assinada pelo secretário da Infraestrutura e Logística do Paraná, Sandro Alex, por representantes do Ministério da Infraestrutura e da Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL), contratada para execução do serviço.

“Não queremos a repetição do modelo que não deu certo no Paraná. Por isso estamos junto com o governo federal e temos a certeza que vamos fazer o melhor e mais transparente modelo de concessões”, afirmou o secretário Sandro Alex.

“O motorista paranaense pode esperar muito investimento e uma rodovia muito melhor, com uma tarifa menor”, disse o diretor de Transporte Rodoviário da Secretaria Nacional de Transportes Terrestres, Roger Silva Pegâs.

O diretor-presidente da Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL), Arthur Lima, responsável por realizar estudos de viabilidade para a concessão à iniciativa privada disse que o Governo Federal vai investir R$ 60 milhões no projeto.

Obras que a Viapar ainda tem a fazer

Tem a duplicação da BR-369 no perímetro urbano de Corbélia, no caminho entre Maringá e Cascavel, e a implantação de vias laterais na PR-444, em Arapongas, em andamento.

Para ser concluída em 2019, a única obra que ainda não foi iniciada é a construção de um novo viaduto no entroncamento da PR-317 com a PR-323, dentro de Maringá. A obra vai melhorar a mobilidade urbana na cidade porque vai permitir a ligação da PR-323 com a Avenida Arquiteto Nildo Ribeiro da Rocha.

Para início em 2019 e término no final de 2020, está no contrato a construção do Contorno de Arapongas, na BR-369, o que deve melhorar a ligação de Apucarana com a região de Londrina. Também há previsão para ser iniciada em 2019 as obras no perímetro urbano de Jandaia do Sul, onde a conclusão dos investimentos vai ocorrer apenas em 2021.

Com início previsto apenas para 2020, tem os investimentos no perímetro urbano do município de Peabiru, único trecho da rodovia entre Maringá e Campo Mourão, que ainda não foi duplicado. Esta obra vai ser concluída apenas em 2021.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.