Tarifas de pedágio da Rodonorte, no caminho de Maringá a Curitiba, ficam 30% mais baratas. Veja os preços

Por: - 26 de abril de 2019
Praça de Pedágio da Rodonorte na BR-376, em Imbaú / Google Street View

Os primeiros efeitos do acordo de leniência firmado entre a força-tarefa Lava Jato de Curitiba e a empresa Rodonorte, Concessionária de Rodovias Integradas S.A, vão começar a ser sentidos neste sábado (27/4) pelos usuários da rodovia. As tarifas de pedágio da Rodonorte, no caminho entre Maringá e Curitiba, vão ficar 30% mais baratas.

O acordo de leniência prevê que a Rodonorte, em decorrência das infrações e ilícitos revelados, faça o pagamento de R$ 750 milhões até o final da concessão, em 2021. Do valor total, R$ 350 milhões vão ser destinados a redução das tarifas de pedágio. Acesse aqui a íntegra do acordo que começa a vigorar neste sábado (27/4).

Newsletter Briefing
O que aconteceu de importante em Maringá, todo início de noite no seu email.
Saiba mais ou cadastre-se:

Em comunicado aos usuários da rodovia, funcionários e acionistas, a Rodonorte fez um pedido formal de desculpas e admitiu que a concessionária cometeu atos de corrupção.

A partir deste sábado (27/4) as tarifas de pedágio da Rodonorte para os veículos de passeio vão ser reduzidas de R$ 11,60 para R$ 8,10 nas praças de pedágio localizadas em Ortigueira, Imbaú e Tibagi, na BR-376.

Também localizada na BR-376, na praça de pedágio de Witmarsum, o valor cai de R$ 12,40 para R$ 8,70. E em São Luiz do Purunã, na BR-277, também no caminho de Maringá para Curitiba, a tarifa cai de R$ 8,70 para R$ 6,10. Veja abaixo a tabela com todos os valores.

As viagens dos motoristas entre Maringá e Curitiba podem ficar mais baratas em breve. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) mandou a Viapar reduzir tarifa em 19,02%.

A decisão, divulgada no dia 22 de abril, atende a uma ação judicial do Ministério Público Federal (MPF), dentro dos desdobramentos da Operação Lava Jato.

A redução nas tarifas deve ocorrer a partir da data em que a concessionária for intimada. A Viapar pode recorrer da decisão do TRF4.

No mês de março de 2019, houve especulações de que a Viapar teria firmado um acordo de leniência com o Ministério Público Federal, nos moldes do que fez a Rodonorte, mas as notícias não se confirmaram.

Tenha acesso liberado ao melhor jornalismo da cidade. Assine o Maringá Post e fique bem informado. Saiba mais aqui.