Maníaco da Torre é condenado a 21 anos e quatro meses pela morte de Edinalva José da Paz

Por: - 14 de março de 2019
Os últimos momentos do julgamento do Maníaco da Torre, que acabou condenado pela maioria dos jurados / Erikson Rezende

Roneys Fon Firmino Gomes, 45 anos, não conseguiu convencer o corpo de jurados, formado por quatro mulheres e três homens, de que era inocente. Após cerca de 12 horas no banco dos réus, no Fórum de Maringá, o Maníaco da Torre é condenado a 21 anos e quatro meses de reclusão pela morte de Edinalva José da Paz.

A sentença foi anunciada pelo juiz Cláudio Camargo dos Santos no começo da noite. A condenação é por homicídio duplamente qualificado e por ocultação de cadáver. A maioria dos jurados aceitou a tese defendida pelo promotor Júlio César da Silva, que uniu as argumentações sobre o assassinato de Edinalva a outras vítimas de homicídio.

A Polícia Civil acredita que o Maníaco da Torre matou cerca de 13 mulheres em um intervalo de aproximadamente dez anos. Durante o julgamento, os advogados de defesa procuraram demonstrar a inocência do réu em relação ao assassinato de Edinalva, em dezembro de 2010.

A prova mais concreta da acusação era o telefone celular de Edinalva, que acabou achado em uma boca de fumo que era frequentada por Gomes. A mulher que foi achada com o aparelho afirmou que poderia ter sido o Maníaco da Torre que deixou o telefone com ela.

Mas o que mais pesou contra o réu para a condenação pela morte de Edinalva foi a tese do serial killer. A jovem que tinha apenas 19 anos foi encontrada morta no mesmo local onde também foram deixados os corpos de outras vítimas.

O corpo estava nu e deixado em uma  plantação com a barriga para cima, além disso a morte foi provocada por asfixia, dentro de um mesmo padrão existente em outros crimes do Maníaco.

Ao ser ouvido no final da manhã durante o júri popular, Roneys Fon Firmino Gomes negou que era o autor do crime, que não conhecia a vítima e passou a não admitir mais que foi o autor da morte de outras mulheres.

Ao ser preso em 2015, quando matou a última vítima, Mara Josiane dos Santos. O Maníaco da Torre confessou ter agido pela primeira vez em março de 2012. A vítima nunca foi identificada e o corpo achado sob a torre de transmissão de energia na Estrada Roseira.

O segundo crime que assumiu foi de Silmara Aparecida de Melo, 33 anos, morta em maio de 2012. Em agosto de 2013, a terceira vítima, também sem identificação. Em julho de 2014, mais um corpo de mulher achado, e mais uma vítima sem identificação.

O Maníaco da Torre também admitiu em depoimento à Polícia Civil ter matado Ariele Natalia da Silva, 24 anos, em março de 2015.
Após a prisão de Roneys Fon Firmino Gomes não houve nenhum novo registro de crime contra garotas de programa, com o mesmo padrão adotado por ele.
O Maníaco da Torre cumpre prisão preventiva há três anos e oito meses na Casa de Custódia de Maringá (CCM) por causa do homicídio que cometeu em 2015 e, que em breve, também vai ser analisado em júri popular.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.