Interventor, coronel Jurandir André, se apresenta à Viapar em Maringá. Para alguns, ação é inócua, mas governo diz que precisa de controle sobre fluxo de veículos

Por: - 5 de outubro de 2018

O interventor na Viapar, coronel da reserva que foi comandante do Corpo de Bombeiros, Jurandir André, chegou na sede da concessionária em Maringá, às margens da PR-317, no Parque Industrial, pouco antes das 9 horas desta sexta-feira (5/10), acompanhado por representantes do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do Paraná.

Foi recebido por diretores da concessionária e, em seguida, entraram em reunião, que continuava até esta postagem. A intervenção nas concessionárias do Anel de Integração por 180 dias foi decretada na quinta-feira (4) pela governadora Cida Borghetti (PP), com o objetivo de aferir o fluxo de veículos nas praças de pedágio, que “não tem controle”.

A intervenção, segundo a assessoria de imprensa do Palácio Iguaçu, se deu por recomendação da Procuradoria Geral e da Controladoria Geral do Estado, após a deflagração da 55ª Operação da Laja Jato – Integração II, que apura denúncias de corrupção nas pedagiadoras e prendeu, entre outros, o presidente da Viapar e Pepe Richa.

Os seis interventores nomeados são coronéis da reserva da Polícia Militar. Além de André na Viapar, são eles: Larson Carstens (Ecovia – Curitiba), Edison Luiz Feijó (Rodonorte – Ponta Grossa), Marco Aurélio Paredes Czerwonks (Caminhos do Paraná – Irati), Rubens Guimarães de Souza (Econorte – Londrina) e Oscar Monteiro (Ecocataratas- Cascavel).

A intervenção decretada pela governadora, candidata à reeleição, está sendo interpretada de forma critica por parcela da opinião pública. Em editoral, a Gazeta do Povo diz que “a ação do governo paranaense é inócua e eleitoreira, mas pelo menos não houve medidas drásticas que acrescentariam mais confusão a um tema que já é uma caixa-preta”.

O secretário estadual de Infraestrutura Abelardo Lupion disse que o objetivo da intervenção é auxiliar nas investigações da Lava Jato, da qual o governo passou a fazer parte, propiciando acesso à documentações dentro dos prazos legais, criar sistemas de gerenciamento e controle de tráfego e implantar conselhos comunitários locais.

A Procuradoria Geral também ajuizou ação na 23ª Vara Criminal de Curitiba requerendo redução das tarifas, com pedido de liminar. Não é a primeira vez que o tema entra em pauta da sucessão estadual. O ex-governador Jaime Lerner, por exemplo, reduziu a tarifa pela metade, se reelegeu e, depois, tudo ficou “como dantes no quartel de Abrantes”.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.