Prefeitura de Maringá se prepara para pagar primeira parcela da trimestralidade a 3.798 servidores. Total da dívida chega a R$ 70 milhões

Por: - 12 de setembro de 2018
Assembleia do do 7 de outubro de 2017: servidores aprovam por unanimidade a proposta de pagamento da trimestralidade / Sismmar

Envie sua denúncia anonimamente
Você tem evidências de corrupção ou crime ? Nos conte o que sabe em completo anonimato, garantido por lei.

Há 26 anos, quando a inflação passava de 10% ao mês, em uma tumultuada sessão da Câmara de Maringá foi revogada a lei que estabelecia correção trimestral dos vencimentos dos servidores municipais. Agora, está sendo dado um passo importante para corrigir uma injustiça de R$ 70 milhões.

A decisão que gerou o problema partiu do Executivo, em 1991. O mesmo ocorre agora, com o remédio formulado pela prefeitura, que também tem que passar pela Câmara. Assim, foi enviada uma mensagem de lei que autoriza a abertura de crédito adicional no orçamento para começar a pagar a dívida.

O caso que ficou conhecido como “Trimestralidade”, judicialmente transitado em julgado e que determinou o pagamento, envolve 3.798 servidores. O crédito adicional solicitado pela administração, no limite de R$ 7.124.769,00, será para o pagamento da primeira parcela.

O acordo com o Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar), firmado em outubro de 2017, prevê que o pagamento seja feito em sete parcelas, sempre em setembro. A primeira é de R$ 7 milhões e as outras seis de R$ 10 milhões. Junto, a prefeitura também pagará os encargos.

O crédito adicional é necessário devido o orçamento de 2018 ter sido aprovado antes do acordo. “A negociação foi feita dentro das possibilidades de orçamento e que o município pudesse honrar até a última parcela do compromisso”, lembra o secretário da Fazenda, Orlando Chiqueto.

Quando o acordo foi firmado – os pagamentos serão feitos até 2024 -, o prefeito Ulisses Maia lembrou que cerca de 800 servidores com direito à trimestralidade já faleceram. Os recursos, nesses casos, serão destinados aos herdeiros diretos dos servidores celetistas do período de 1991 a 1993.

Quando foi protocolada pelo Sismmar, a ação incluía servidores da Câmara e cargos comissionados, mas esses foram excluídos pela Justiça. As tentativas de acordo vêm desde 2008, mas não frutificaram. Em fevereiro de 2014, o ministro Renato de Lacerda Paiva sacramentou o direito dos servidores.

O histórico de aprovações de matérias encaminhadas pelo Executivo, somando-se ao fato do reconhecimento judicial ao recebimento dos reajustes que deixaram de ser concedidos aos servidores durante dois anos, não restam dúvidas quanto a abertura do crédito adicional especial no Orçamento 2018.

Empregos em Maringá

Últimas vagas de Empregos

RIGON

SALA 3

Cris Pinzan

MUNDO DOS NEGÓCIOS

E AÍ, TÁ PRONTA?

GUIAS