Dos seis vereadores de Maringá que são candidatos a deputado estadual, dois aumentaram seus bens, três disseram ao TSE que diminuíram e um continua sem nada

Por: - 30 de agosto de 2018
Locais de instalação de "corredores seguros" devem ser definidos depois de publicação da lei. (Imagem/CMM)

A Câmara de Maringá tem seis vereadores que concorrem a uma cadeira da Assembleia Legislativa do Paraná e estão registrados no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Entre eles, o mais rico é Do Carmo (PSL), com patrimônio de R$ 661.157,78. O montante é 10% maior do que declarou em 2016. Odair Fogueteiro (PHS) é o mais pobre, com R$ 13.457,19 em bens – de 2016 para cá, ele informou que perdeu quase R$ 50 mil.

Fogueteiro não é o único que teve o patrimônio reduzido, de acordo com as informações disponíveis no site do TSE. Fávio Mantovani (PPS), que é o segundo mais rico da lista, com R$ 165.202,00 em bens, perdeu mais de R$ 90 mil desde que elegeu vereador. Mário Verri (PT) é o terceiro mais rico, com bens avaliados em R$ 144.656,00. Seu patrimônio aumentou 11% em dois anos.

Homero Marchese (Pros) é o quarto da lista com patrimônio declarado de R$ 95 mil. Comparado com as eleições municipais que lhe proporcionaram uma cadeira na Câmara de Vereadores, quando declarou ter R$ 105.396, os bens de Marchese sofreram uma redução de 9%.

Belino Bravin (PP) não tem nenhum bem cadastrado. Das outras cinco eleições que concorreu, ele só declarou em 2006 quando era candidato a deputado estadual. Ironicamente, naquela ocasião, Bravin disse não ter bens a declarar.

(Imagem/Pólen Comunicação)

1º – Do Carmo (PSL)

Do Carmo (PSL), que concorre na coligação “Endireita Paraná” (PSL/PTC e PATRI), o mais rico entre os vereadores candidatos, declarou patrimônio de R$ 661.157,78. Na última eleição que disputou e foi eleito vereador, Do Carmo declarou R$ 600.535 em bens.

Entre os bens declarados neste ano, estão três empréstimos feitos a terceiros que somam mais da metade de todos os bens do candidato, no valor de R$ 351.400,00. Só para uma única pessoa, Do Carmo disse ao TSE ter emprestado R$ 300 mil.

Do Carmo declarou também um lote de terra no Villagio Bourbon em Maringá de R$ 158.885,00 e duas participações em quotas. Uma delas em uma empresa chamada “Braz Carmo”, de R$ 250,00, e “Alves Avelar e Rogério do Carmo”, de R$ 10 mil. O candidato também disse ter R$ 15.622,78 em conta corrente e R$ 125 mil em bens diretos especificados como “Caixa, 105 – Brasil”, o que não tinha em 2016.

Quando concorreu nas eleições municipais em 2016, além do lote de terra, das participações societárias e de um empréstimo de R$ 26.400,00 Do Carmo tinha R$ 350 mil em dinheiro em espécie e um veículo Peugeot de R$ 55 mil.

(Imagem/Pólen Comunicação)

2º – Flávio Mantovani (PPS)

Flávio Mantovani, que concorre a deputado estadual pelo PPS, que formalmente não integra nenhuma coligação, declarou patrimônio de R$ 165.202. Comparado com 2016, Mantovani perdeu mais de R$ 90 mil em bens. Quando foi eleito ele declarou patrimônio de R$ 256.750.

Entre os bens listados nesta eleição estão quatro veículos: Um modelo Toyota de R$ 44.848, um Honda de R$ 14.385, uma Kombi de R$ 10.057 e outro não especificado de R$ 5.578. Além disso, Mantovani também diz ter um terreno na Avenida Paranavaí, em Maringá, avaliado em R$ 60 mil.

O candidato declarou quotas ou quinhões de capital de R$ 334 na empresa “Mantovani e Advogados Associados” e R$ 30 mil em dinheiro em espécie.

De 2016 para cá, Mantovani deixou de ter Toyota Corolla de R$ 58.548 e as quotas ou quinhões de R$ 63 mil que tinha na empresa “J.F. Mantovani Marketing Eireli”. Porém, ele não tinha os R$ 30 mil em espécie deste ano.

(Imagem/Pólen Comunicação)

3º – Mário Verri (PT)

Concorrendo pela coligação do Partido dos Trabalhadores, Mário Verri declarou patrimônio de R$ 144.656,00. Há dois anos, Verri dizia ter R$ 129.500,00 em bens.

A única diferença nos bens de Verri comparando as duas listas do PSE, é que o vereador passou a ter, este ano, R$ 15 mil em espécie. Os outros bens do patrimônio do candidato continuam iguais e com o mesmo valor.

Entre os bens estão um terreno de R$ 15 mil em São João do Cauiá e meio terreno no distrito de Floriano,  de R$ 30.500,00. Verri também declarou uma construção em alvenaria em São João do Caiuá, de R$ 36 mil, e veículo Tucson de R$ 48 mil. Além disso, o candidato informou ao TSE ter R$ 156 em conta corrente bancária.

(Imagem/Pólen Comunicação)

4º – Homero Marchese (Pros)

Homero Marchese concorre a uma cadeira na Assembleia Legislativa pela coligação “Unidos Pelo Paraná”, composta pelo Pros, PMB e PMN. Desde a eleição de 2016, Marchese perdeu patrimônio. Neste ano ele declarou bens que somam R$ 95.961,39, contra R$ 105.396,97.

Entre os bens deste ano, estão uma casa de R$ 16.567,11, quotas ou quinhões de capital de R$ 19 mil em uma sociedade de advogados e de R$ 1.898,00 em uma empresa de alimentos. Além disso, ele informou ter R$ 1.878,59 em conta corrente, uma casa por sucessão de R$ 1.425,00 mil, um Golf de R$ 46 mil e leasing de R$ R$ 9.192,69.

Além dos bens declarados neste ano, Marchese tinha partes de um terreno em Mococa (SP) no valor de R$ 1.425 e R$ 9.060, respectivamente. Ele também havia declarado fundos de investimento em dois bancos, de R$ 6.334,63 e R$ 5.142,23.

O vereador entrou em contato com o Maringá Post na noite desta quinta-feira (30/8) para justificar que as casas avaliadas por R$ 16 mil e R$ 1,4 mil, que declarou, se referem a frações de 1/6 no primeiro imóvel e 1/147, no segundo. Ele informou que são bens frutos de herança e disse que o sistema TSE não permitiu fazer a declaração por fração.

(Imagem/Pólen Comunicação)

5º – Odair Fogueteiro

Odair Fogueteiro (PHS), que concorre na coligação PRB, PHS, PR e Avante, declarou bens no valor de R$ 13.457,19. A quantia é bem menor do que informou ao TSE em 2016.  Naquela ocasião, disse que tinha R$ 62.561,00.

Neste ano, Fogueteiro informou ter duas contas poupanças, uma com R$ 263,50 e outra com R$ 659,69. O candidato também tem participações societárias de R$ 3.061,00 e R$ 9.500,00 em comércios de fogos.

Em 2016, as sociedades do vereadores estavam com o mesmo valor. Fogueteiro também não tinha as poupanças, porém informou ter R$ 30 mil em dinheiro em espécie e um veículo de R$ 20 mil.

(Imagem/Câmara de Maringá)

6º – Belino Bravin

Belino Bravin concorre pelo PP na coligação “Paraná Firme” a uma cadeira da Assembleia Legislativa do Paraná. Ele não tem nenhum bem cadastrado no site do TSE.

Nas outras cinco eleições que disputou, Bravin nunca declarou bens. A exceção foi em 2006 quando era candidato a deputado estadual e declarou não ter nenhum bem.

  • Reportagem atualizada às 22h30 desta quinta-feira (30/8) com justificativas do vereador candidato Homero Marchese sobre os valores declarados em parte dos imóveis. 

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.