Radar do Contorno Sul, que sozinho responde por 44% das multas de trânsito na cidade, volta a ser assunto na Câmara de Maringá

Por: - 3 de maio de 2018
Presidente da Câmara Municipal de Maringá, Mário Hossokawa: contrato assinado-PR

O chamado “radar maldito” do Contorno Sul, que sozinho responde por 44% das multas aplicadas por todos os radares de excesso de velocidade em Maringá, voltou a ser assunto na sessão da Câmara de Vereadores nesta quinta-feira (3/5), em sessão presidida por Mário Hossokawa (PP), que depois de 55 dias de licença médica retomou os trabalhos.

O vereador Homero Marchese (Pros) disse que o radar da Avenida Sincler Salvati aplicou 17 mil multas em fevereiro e março – a cidade tem 40 radares – e voltou a pedir o  cancelamento de todas as multas, o que já foi negado pelo secretário de Mobilidade Urbana, Gilberto Purpur, que esteve na Câmara discutindo o assunto com os vereadores.

O vereador Belino Bravin (PP) defende que sejam mantidas as multas aplicadas para os motoristas multados por trafegar acima de 80 km/h. A velocidade máxima no local é de 60 km/h. A justificativa é que existem duas placas de trânsito próximas ao radar de 80 km/h e uma, muito próxima ao radar, de 60 km/h.

Segundo Purpur, aquele radar foi instalado a pedido do vereador. O secretário também disse que “não há nenhum embasamento legal para cancelar as multas e se o fizesse estaria cometendo uma ilegalidade”. Acrescentou que “a quantidade de multas aplicadas pelo radar está caindo dia a dia”.

Hossokawa reassume presidência da Câmara de Maringá

O presidente da Câmara, Hossokawa, que fez o pedido para a instalação do Contorno Sul, não se manifestou sobre o pedido de cancelamento das multas, mas foi cumprimentado por todos os oradores que ocuparam o microfone no pequeno expediente, pelo retorno aos trabalhos.

Ao reassumir a presidência, na quarta-feira, Hossokawa disse que vai se deparar com pelo menos dois desafios a serem vencidos nos próximos meses. O primeiro, a agilização da reforma da Câmara, iniciada em fevereiro e que vem trazendo grandes transtornos aos vereadores, servidores e o público em geral que procura a casa.

O segundo desafio será conduzir os trabalhos da Câmara de Maringá num ano eleitoral em que vários vereadores serão candidatos a deputado. Outro fato que também preocupa o vereador, pois poderá atrapalhar o desempenho dos trabalhos legislativos, é a Copa do Mundo, em julho.

Hossokawa elogiou a atuação do vice-presidente, Mário Verri, como presidente em exercício neste período em que está afastado. Hossokawa se afastou no dia 8 de março para se submeter à implantação de três pontes de safena. Sua licença iria até o dia 7 de maio.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.