Bravin e Do Carmo defendem perdão a multas de radar no Contorno Sul de Maringá. Empresa propaga dicas para recurso. Semob não vê erros e vai manter autuações no local

Por: - 26 de abril de 2018
Radar instalado no Contorno Sul, próximo ao cruzamento com a Avenida Carlos Correa Borges / Reprodução Rede Massa

Os vereadores Belino Bravin (PP) e Do Carmo (PSL) decidiram se empenhar na questão. Em discursos na tribuna da Câmara ou em reuniões com o secretário de Mobilidade Urbana, Gilberto Purpur, passaram a criticar um radar no Contorno Sul de Maringá. Vão além, defendem entre os pares que apoiem a cobrança para que o prefeito Ulisses Maia (PDT) determine o cancelamento de mais de 17 mil multas.

Dos 40 pontos de fiscalização, cinco deles no Anel Viário Prefeito Sincler Sambatti, dois com limite de 80km/h e três com limite de 60km/h, apenas um equipamento desperta o interesse dos vereadores. É o radar instalado próximo ao cruzamento do Contorno Sul com a Avenida Carlos Correa Borges, próximo ao acesso aos jardins Espanha, São Clemente e Santa Rosa, por exemplo.

Vereadores querem perdão a multas

“Vim na tribuna para falar o seguinte. Sou contra o pardal que está 60 km/h. Tem que tirar os 60km/h e colocar 80 km/h e perdoar as multas. Tem pessoas que vão perder a carteira. Um levou mais de 15 multas e vai perder a carteira”, afirmou recentemente o vereador Belino Bravin (PP) no grande expediente de uma sessão ordinária da Câmara Municipal.

Na mesma data, o vereador Do Carmo (PSL), em aparte concedido por Bravin, reforçou a cobrança do colega. “Fugiu da razoabilidade. Várias pessoas responsáveis que foram notificadas. Juridicamente, podemos dar o suporte para fazer cancelamento dos autos”, disse.

Para conferir os discursos, acesse o vídeo abaixo a partir do tempo de 2:27’05”.

O polêmico radar campeão de autuações, como mostrado nesta reportagem do Maringá Post, foi instalado após uma solicitação, segundo a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), da Presidência da Câmara de Maringá. Após a indicação do local, estudos feitos pelos técnicos da Semob confirmaram a necessidade da fiscalização.

Os estudos técnicos deste e de todos os outros pontos de fiscalização, implantados em fevereiro, foram publicados a partir da página 37 da edição 2866 do Órgão Oficial do Município.

Diante da polêmica, tem empresa que decidiu postar um vídeo no YouTube para afirmar que as multas no local são irregulares. O vídeo dá dicas sobre como apresentar os recursos e ‘se livrar’ do problema da autuação.

Secretário defende radar no Contorno Sul de Maringá

Em resposta aos vereadores e ao vídeo que acusa o radar de irregularidades, o secretário de Mobilidade Urbana, Gilberto Purpur, afirmou que “não foi detectada nenhuma falha na sinalização ou funcionamento do equipamento.” Destacou ainda que existe mais “sinalização do que o código de trânsito exige. Só de velocidade, lá temos uma sete placas”, disse.

Purpur explicou que o código de trânsito não exige a indicação de fiscalização eletrônica e no local há a placa e “a legenda no chão. Da parte de sinalização, sem problemas.”

Sobre a diferença de velocidade entre os radares no Contorno Sul, Purpur afirmou que está “completamente legal”. Há distâncias de 300 a 400 metros, que “são mais do que suficientes para segurar o carro. Não há nenhuma dúvida.”

O secretário explicou ainda que o trecho, onde há acesso a lotes, faixas de pedestres e ligações entre bairros, é considerado uma via arterial e o indicado pela legislação é que a velocidade seja de 60km/h.

Em relação a pontos onde a velocidade permitida é de 80km/h, Purpur explica que não há cruzamentos e nem acesso a lotes com fluxo de veículos pesados. Ele destacou ainda que o equipamento passou pela aferição do Instituto de Pesos e Medidas (IPEM) e foram feitos os estudos técnicos exigidos pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

“Ninguém conseguiu me apontar o que está errado. É um radar necessário. Ali a velocidade é muito extrapolada e realmente precisa baixar. Além disso, o radar fica no aclive, ponto mais alto e não dá para alegar pegadinha de baixa.”

O secretário deverá participar de mais reuniões com os vereadores, que tendem a pressionar pelo cancelamento de multas. Por hora, o que se acredita é que a política da prevenção acidentes, com a manutenção da fiscalização eletrônica, prevaleça.

Acesse aqui o relatório oficial de todas as 71.599 multas de trânsito registradas em Maringá no primeiro trimestre de 2018. O secretário aposta numa redução das infrações, ao menos das aplicadas pela fiscalização eletrônica de velocidade, nos próximos meses.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.