Investigadas na Lava Jato, UTC Engenharia S/A e Construtora OAS Ltda injetaram dinheiro na campanha eleitoral de Maringá no ano de 2012

Por: - 26 de abril de 2018
Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, em depoimento ao juiz maringaense Sérgio Moro. Ele autorizou R$ 150 mil para a campanha eleitoral do PT de Maringá, em 2012 / Reprodução

A UTC Engenharia S/A e a Construtora OAS Ltda, investigadas na Operação Lava Jato por desvios de recursos públicos da Petrobrás e pela destinação de dinheiro a campanhas eleitorais, figuram como doadoras das eleições municipais de Maringá. Foi em 2012, auge do esquema de corrupção batizado de Petrolão.

Juntas, as duas empreiteiras injetaram R$ 250 mil na campanha eleitoral do Partido dos Trabalhadores, que tinha como candidato o atual deputado federal Enio Verri. A UTC Engenharia fez dois repasses de R$ 50 mil e a Construtora OAS destinou R$ 150 mil.

A prestação de contas do candidato, que declarou uma receita total de R$ 2 milhões, foi aprovada pela Justiça Eleitoral.

Naquele pleito, o PT conseguiu arrecadar mais do que o candidato do Partido Progressista. Carlos Roberto Pupin (PP), que venceu as eleições, declarou arrecadação de R$ 1,9 milhão.

Nas eleições de 2012, a Justiça Eleitoral não exigia dos diretórios estaduais e nacionais a informação sobre os doadores dos recursos transferidos para as campanhas municipais.

Naquele ano, a direção estadual do PT transferiu R$ 270 mil para a campanha de Maringá, enquanto que o diretório nacional colaborou com R$ 912 mil.

Somadas as doações das duas empreiteiras com o dinheiro transferido pelos diretórios, o PT de Maringá recebeu R$ 1,4 milhão para investir na campanha.

Na campanha municipal do PP de 2012 houve uma injeção de R$ 130 mil do diretório nacional e de R$ 370,4 mil do diretório estadual. Não há informações sobre os doadores destes recursos ao partido, que também é investigado como beneficiário de desvios da Petrobrás.

Doações de diretórios foram menores em 2008

No ano de 2008, também na campanha eleitoral do PT, o diretório estadual destinou R$ 100 mil e o diretório nacional outros R$ 100 mil. A receita total declarada por Enio Verri naquela campanha foi de R$ 582 mil.

Em 2008, o candidato Silvio Barros (PP), que se elegeu prefeito, obteve uma arrecadação de R$ 1,3 milhão, com a maior parte dos recursos doados por empresas de Maringá e região. Nessa campanha que garantiu a reeleição de Barros, o candidato do PP recebeu uma doação R$ 100 mil do diretório estadual e apenas R$ 10 mil do diretório nacional.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.