Concorrência prevê R$ 12,4 milhões para duplicação da Carlos Borges, que terá ciclovia

Por: - 29 de janeiro de 2018
Avenida Carlos Borges será duplicada em seus 3,2 quilômetros / Foto: Cary Bertazzoni - PMM

As obras da esperada duplicação da Avenida Carlos Borges estão em processo de licitação e as empresas interessadas têm até o dia 22 de fevereiro para se inscrever. O trecho a ser duplicado tem 3,2 km e o preço máximo que a Prefeitura de Maringá está disposta a pagar é R$ 12,4 milhões.

A avenida será duplicada da Avenida Luiz Teixeira Mendes até a Rua Pioneiro Exaltino Pereira Boa Sorte. As duas pistas passarão pela Praça Deputado Heitor de Alencar Furtado, pela Avenida Arquiteto Nildo Ribeiro da Rocha e  pela Avenida Prefefito Sincler Sambatti (Contorno Sul).

O edital da licitação pela modalidade concorrência foi publicado na quarta-feira (24/1)  e está prevista a construção de uma ciclovia, além da pavimentação asfáltica, drenagem de águas pluviais e sinalização.

O secretário de obras públicas, Marcos Zucoloto Ferraz, disse que a duplicação beneficia os que utilizam a via como ligação para outros pontos da cidade, “além de ir de encontro com interesses dos moradores da região”.

Ele lembrou que no processo das obras o estacionamento na Carlos Borges será regulamentado e observou que a drenagem de águas pluviais na região, que atualmente não é adequada, será refeita.

Carlos Borges ficará com 36 m de largura

O projeto elaborado pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) prevê duas pistas de nove metros, com duas faixas de rolamento e uma de estacionamento.  Também serão instalados um canteiro central de quatro metros, para ciclovia e calçada.

A duplicação irá ocupar uma faixa de 36 metros de largura. A via contará também com semáforos, retornos e criados binários. O projeto de duplicação, segundo Zucollo vem sendo discutido pela equipe da administração municipal desde maio e passou pela aprovação dos vereadores e proprietários de 140 lotes às margens da avenida.

A licitação fixa 14 meses para as obras serem concluídas e entregues. Zucolloto disse que “o prazo parece longo, mas prefiro um prazo realista do que trabalhar em um prazo fictício e precisar colocar vários aditivos depois”. Ele ainda lembrou que apesar do prazo ser de 420 dias, as empresas podem entregar as obras antes.

As propostas podem ser entregues até as 9 horas da segunda-feira (26/2) na Diretoria de Licitações da Secretaria Municipal de Patrimônio, Compras e Logística (Sepat) – no segundo pavimento do Paço Municipal.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.