Câmara mantém veto de prefeito sobre eleições nas escolas e creches; candidato tem que trabalhar na instituição

Por: - 23 de novembro de 2017
Placar da Câmara Municipal de Maringá com o resultado da votação que manteve veto do prefeito / Reprodução Câmara Municipal

Em meio ao processo de inscrições para a eleição dos diretores das escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) de Maringá, que termina nesta sexta-feira (24/11), os vereadores decidiram manter o veto do prefeito Ulisses Maia (PDT) ao artigo que permitiria aos professores, educadores infantis ou especialistas concorrer nas eleições de qualquer unidade escolar.

A decisão foi tomada com nove votos favoráveis à manutenção do veto e seis contrários.

O líder do prefeito na Casa, Jean Marques (PV), discursou para solicitar aos colegas que aceitassem a decisão do Executivo.

“Debatemos bastante a questão, pensei naquele momento e continuei acreditando, até na semana passada, que qualquer um pudesse se candidatar”, afirmou.

No entanto, segundo Marques, profissionais de Educação o procuraram nos últimos dias para discutir o assunto. “Pessoas com ideologia de esquerda e direita convergiram. E todas se posicionaram pela necessidade de que, quem fosse (o candidato), tivesse o conhecimento da unidade de ensino”, apontou.

Marques citou, ainda, que a medida impede a influência política no processo eleitoral das escolas e creches da cidade. “Estamos falando de gestão escolar. Não podemos transformar estas eleições em verdadeiras pré-campanhas políticas”, disse.

Marchese defendeu derrubada do veto

Contrário, o vereador Homero Marchese (PV) defendeu que a decisão tomada pela Câmara fosse mantida. “Entendo que isto pode atrapalhar e impedir que pessoas que já trabalharam na instituição como diretoras, possam se candidatar a este cargo. É por isso que vou votar para derrubar o veto”, afirmou.

Marchese foi além. Considerou o veto uma medida “antidemocrática”, que irá “limitar a disputa de maneira injustificada.”

O vereador chegou a ser vaiado por profissionais da Educação, ligados ao Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar), que defendiam a derrubada do veto. Estas mesmas pessoas aplaudiram o discurso de Jean Marques.

O vereador Homero Marchese concluiu o discurso dizendo que o veto impõe uma “democracia pela metade”. “Se queremos democratizar, temos de derrubar o veto. Se alguém quer ser candidato em outra instituição, o ônus é todo dela. Esta pessoa vai ter mais dificuldade para ir atrás de voto”, observou.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.