Inscrição para eleição de diretor de escolas é aberta sem Câmara votar veto do prefeito. Regras podem mudar e prefeitura admite possibilidade de rever processo

Por: - 22 de novembro de 2017
Inscrições para eleições de diretores foi aberta sem finalizar a votação da Lei Municipal / Prefeitura de Maringá

As inscrições dos candidatos para a eleição dos diretores das escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) foram abertas na terça-feira (21/11) e terminam nesta sexta-feira (24/11). Mas a Câmara Municipal ainda não discutiu o veto do prefeito Ulisses Maia (PDT) em artigo que permitiria a concorrência dos profissionais em qualquer instituição e não apenas na que trabalham atualmente.

O presidente da Câmara de Maringá, Mário Hossokawa (PP), confirmou na tarde desta quarta-feira (22/11) que irá colocar o veto em votação na reunião desta quinta-feira. “Vamos votar o veto amanhã (23/11). Mas entendo que não podem encerrar a inscrição, pois quem vai concorrer fica perdido sem saber se pode se inscrever em qualquer escola ou só na que está atualmente”, afirmou.

Hossokawa informou ao Maringá Post que sugeriu à Secretaria Municipal de Educação a prorrogação das inscrições até o dia 29, para que o assunto possa ser definido e a lei completa publicada no Órgão Oficial do Município.

A presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá (Sismmar), Iraídes Baptistoni, defende a manutenção do veto e acredita que os vereadores vão acatar a decisão.

“Agrada ao sindicato porque não queríamos o artigo. Estamos satisfeitos com o veto porque dá prioridade às pessoas em seus locais de trabalho. Soubemos que houve uma negociação interna para manter”, diz.

Para o sindicato, o fato da abertura das inscrições serem abertas antes da conclusão da votação não trará problemas ao processo.

“Se fizeram antes de votar o veto, penso que é para agilizar. Vejo isto com naturalidade. Os vereadores teriam que ter votado, mas entendo que a Secretaria (Municipal de Educação) adiantou porque tem pressa para realizar a eleição”, afirma.

A proibição da disputa dos profissionais em qualquer escola seria uma forma de impedir que ao menos parte dos antigos diretores de escolas e CMEIs, durante as gestões dos prefeitos Silvio Barros e Carlos Roberto Pupin, pudessem concorrer à direção das instituições.

O motivo é que no começo de 2017, quando Ulisses assumiu a prefeitura, muitos foram transferidos do local onde trabalhavam. A direção do Sismmar e a própria administração municipal negam que este seria o motivo do veto.

Eleições têm 200 candidatos inscritos

A Prefeitura de Maringá informou que até a tarde desta quarta-feira (22/11) 200 candidatos tinham protocolado o pedido de inscrição para concorrer às eleições.

O número, segundo a prefeitura, poderá diminuir após a análise da comissão eleitoral, que irá analisar a documentação exigida dos candidatos.

Sobre a votação do veto em meio ao prazo aberto para as candidaturas a prefeitura informou que “neste momento vale a candidatura do candidato que atua na unidade escolar, ou seja, impede que servidor do Borba Gato dispute cargo no Jardim Alvorada. E na eventualidade da Câmara de Vereadores derrubar o veto, a Procuradoria-Geral do Município buscará solução para a demanda”.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.