Sidney Poitier enfrentou barreiras na vida e na carreira e venceu todas

sidney poitier

O Sidney Poitier que morreu aos 94 anos nesta sexta-feira, 7, foi um homem que rompeu as barreiras raciais. Ele foi o primeiro negro a ganhar o Oscar de melhor ator por seu papel em Uma Voz nas Sombras e inspirou toda uma geração durante o movimento pelos direitos civis.

Poitier criou um legado cinematográfico notável em um único ano com três filmes em 1967, numa época em que a segregação racial prevalecia em grande parte dos Estados Unidos.

Em Adivinhe Quem Vem para Jantar ele interpretou um homem negro com uma noiva branca e No Calor da Noite ele era Virgil Tibbs, um policial negro enfrentando o racismo durante uma investigação de assassinato. Ele também interpretou um professor em uma escola rígida de Londres naquele ano em Ao Mestre com Carinho.

Poitier ganhou seu Oscar de melhor ator por Uma Voz nas Sombras em 1963, interpretando um faz-tudo que ajuda freiras alemãs a construir uma capela no deserto. Cinco anos antes, Poitier havia sido o primeiro negro indicado ao Oscar de melhor ator por seu papel em Acorrentados.

Seu personagem Tibbs de No Calor da Noite foi imortalizado em duas sequências – Noite sem Fim, em 1970, e A Organização, em 1971– e se tornou base para a série de televisão homônima, estrelada por Carroll O’Connor e Howard Rollins.

Poitier nasceu em Miami em 20 de fevereiro de 1927 e foi criado em uma fazenda de tomate nas Bahamas, tendo apenas um ano de escolaridade formal. Ele lutou contra a pobreza, o analfabetismo e o preconceito para se tornar um dos primeiros atores negros a ser conhecido e aceito em papéis importantes pelo grande público.

Como diretor, Poitier trabalhou com seu amigo Harry Belafonte e Bill Cosby em Aconteceu num Sábado, de 1974, e Richard Pryor e Gene Wilder em Loucos de Dar Nó, de 1980.

 

 

Artistas lamentam

A partir do momento que a morte de Sidnet Poitier foi noticiada, vários artistas em diferentes países publicaram em suas redes sociais ou concederam entrevistas lamentando a morte do astro que foi um pioneiro.

As homenagens foram feitas por figuras de peso do meio artístico, mas também da política, como o presidente Joe Biden, o ex-presidente Barack Obama, a atriz Viola Davis.

Sidney Poitier
Em 2009, o presidente Barack Obama entrega a Sidney Poitier a Medalha da Liberdade, principal condecoração civil dos EUA Foto: Arquivo

A atriz Whoopi Goldberg, negra e ganhadora do Emmy, Grammy, Oscar e do Tony, publicou “Se você quisesse o céu, eu escreveria no céu em letras que chegariam a trezentos metros de altura. Para o senhor com amor. Sir Sidney Poitier R.I.P. Ele nos mostrou como alcançar as estrelas. Minhas condolências à família dele e a todos nós também.”

A lenda do basquete americano Magic Johnson escreveu: “Um grande amigo, aprendi muito observando Sidney e como ele se portava com tanta graça e classe. Que ele descanse em paz. Cookie e eu enviamos nossas orações a toda a família Poitier!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *