Hospital Metropolitano de Sarandi sai de déficit de R$ 3 milhões em 2016 para superávit de R$ 770 mil em 2017

Por: - 6 de abril de 2018

O Hospital Metropolitano de Sarandi, a julgar pelo relatório de demonstrações contábeis de 2017 publicado nesta sexta-feira (6/4), está se recuperando financeiramente. Saiu de um déficit de R$ 3.291.671,87, em 2016, para um superávit de R$ 770.276,77 no ano passado.

O Metropolitano é uma instituição filantrópica, que presta atendimento para a população dos 30 municípios da 15ª Regional de Saúde, integrantes da Associação dos Municípios do Setentrião Paranaense (Amusep). A região tem uma população estimada em 800 mil habitantes.

O hospital é referência para áreas como traumatologia, cirurgia vascular, neurologia, captação de órgãos para doações e atendimentos de urgência e emergência pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Análises contábeis apontam melhora

A receita bruta cresceu 17,87% em um ano, atingindo R$ 68,85 milhões. Os repasses do SUS cresceram R$ 4,896 milhões e os convênios particulares e institucionais arrecadaram R$ 8,41 milhões, tendo um aumento de mais de 50% em relação a 2016.

Apesar dos custos com pessoal para prestação de serviços médicos terem aumentado R$ 1,85 milhão, a despesa administrativa com pessoal registrou uma economia de R$ 275 mil. O aumento com material para serviços e medicamentos foi de apenas 2,8%.

Em nota explicativa sobre as demonstrações contábeis assinada pelo presidente Wellerson Poiatti e pelo contador Marcos Rocha de Oliveira, é destacada uma “significativa evolução da situação financeira em relação ao ano anterior”.

A melhora seria em razão de providências tomadas pela administração e que promoveram superávit com sobra de caixa, capital de giro positivo e reestruturação da dívida. “A continuidade dessas medidas promoverá a recuperação da situação financeira da entidade”, diz a nota.

Repasse de R$ 5,2 milhões da Saúde

O ex-ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), anunciou em visita oficial a Sarandi, em 12 de agosto do ano passado, um repasse de R$ 5,2 milhões para o município custear os serviços do Hospital Metropolitano.

Deste valor, R$ 200 mil seriam para custeio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e outros R$ 5 milhões para os serviços de urgência e emergência, que funcionavam sem contrapartida do Governo Federal.

O deputado federal Enio Verri (PT) também fez uma destinação de R$ 400 mil ao hospital em outubro de 2017, por meio de emenda parlamentar. O recurso é destinado para a compra de equipamentos para uma nova sala de cirurgia.

Tenha acesso liberado ao melhor jornalismo da cidade. Assine o Maringá Post e fique bem informado. Saiba mais aqui.