Gêmeas da natação desembarcam em Maringá nesta terça. Débora e Beatriz trazem medalhas do Parapan e Mundial

Por: - 16 de setembro de 2019
Débora e Beatriz conquistaram cinco medalhas no Parapan em Lima, no Peru / Divulgação

As gêmeas da natação, Débora Borges Carneiro e Beatriz Borges Carneiro, vão ser recebidas com festa em Maringá nesta terça-feira (17/9). O horário do voo é previsto para as 12h45. As irmãs de 20 anos voltam dos Jogos Parapan-Americanos, no Peru, e do Mundial de Natação Paralímpica realizado em Londres.

De 9 a 15 de setembro, as gêmeas da natação de Maringá disputaram o mundial. Nos 100 metros peito, Débora garantiu a medalha de bronze. Com exatamente o mesmo tempo, 1m17s52, ela e a russa Valeriia Shabalina conquistaram o terceiro lugar.

Newsletter Briefing
O que aconteceu de importante em Maringá, todo início de noite no seu email.
Saiba mais ou cadastre-se:

Este foi o primeiro mundial disputado por Débora. Beatriz, que já havia participado de outro mundial, ficou em quinto lugar com o tempo de 1m19s70.

A segunda prova de Débora foi o revezamento 4×100 metros em equipe que, por pouco, não garantiu aos brasileiros mais uma medalha. O Brasil havia ficado em terceiro lugar graças à desclassificação da equipe russa, mas após reclamação, os árbitros voltaram atrás e deixaram Brasil sem medalha.

A última participação das irmãs no Mundial foi no sábado (14/9), na prova dos 200 metros medley, mas as irmãs não se classificaram para a final.

Antes de seguir para a Europa, as gêmeas da natação disputaram o Paranan-Americanos em Lima, no Peru. Elas conquistaram cinco medalhas na competição, com direito a duas dobradinhas no pódio.

A primeira grande conquista da dupla aconteceu logo na primeira prova, os 100 metros peito que são a especialidade das irmãs. Débora ficou com o lugar mais alto do pódio, seguida por Beatriz, que ficou com o segundo lugar.

Nos 200 metros medley mais uma dobradinha das meninas, com direito a pódio verde e amarelo. Beatriz ficou com o ouro, seguida da irmã Débora, que ficou com a prata, e em terceiro lugar mais uma brasileira, Ana K. Soares Oliveira.

Elas ainda disputaram os 200 metros livre, prova que garantiu o bronze para Beatriz. Débora chegou logo atrás e ficou com o quarto lugar. Nos 100 metros borboleta não teve medalha, mas uma conquista expressiva para Débora, que baixou em quase seis segundos a marca pessoal.

O pai das atletas, Eraldo Volpato Carneiro comemora os resultados. Durante o Parapan ele disse que nunca as viu tão determinadas para a vitória. “Conversamos muito antes da competição e vi nos olhos delas o quanto estavam focadas”, diz.

Patrocinadas pela Unimed Maringá e treinadas pelo professor André Yamazaki Pereira, que esteve presente nas duas competições, as irmãs competem na categoria S14 – que engloba competidores com deficiência intelectual.

Débora e Beatriz competem pela UMPM (União Metropolitana Paradesportiva de Maringá), treinam com a equipe da APAN Maringá (Associação de Pais e Atletas da Natação) e têm se destacado em competições no Brasil e no mundo.

Antes do Parapan, elas ocupavam a quarta e a sétima posição do ranking mundial na prova de 100 metros peito. Com o desempenho no Peru, as atletas agora ocupam a terceira e quarta posições. Além disso, estão no topo do ranking das Américas.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.