Após garantir cinco medalhas no Parapan de Lima, no Peru, Débora e Beatriz voam para mundial em Londres

Por: - 2 de setembro de 2019
Débora e Beatriz conquistaram cinco medalhas no Parapan em Lima, no Peru / Divulgação

As nadadoras paralímpicas maringaenses Débora e Beatriz Borges Carneiro encerraram a participação nos Jogos Parapan-Americanos, em Lima, no Peru, com cinco medalhas. Foram duas de ouro, duas de prata e uma de bronze.

A primeira grande conquista foi na primeira prova no domingo (25/8), nos 100 metros peito, a especialidade da dupla. Débora ficou com o lugar mais alto do pódio, seguida por Beatriz, em segundo lugar.

Nos 200 metros medley mais um show na piscina. O pai das atletas, Eraldo Volpato Carneiro, que as acompanha e incentiva desde a primeira competição em 2013, disse que nunca as viu tão determinadas.

“Conversamos muito antes da competição e vi nos olhos delas o quanto estavam focadas”, diz. O resultado foi mais uma dobradinha das irmãs, com direito ao pódio verde e amarelo. Beatriz ficou com o ouro, seguida da irmã Débora, com a prata. E o terceiro lugar ficou com outra brasileira, Ana K. Soares Oliveira.

Débora e Beatriz, que esbanjaram alegria durante os dias de competição, também disputaram os 200 metros livre, prova que garantiu o bronze para Beatriz.

Débora chegou logo atrás e ficou com o quarto lugar. Nos 100 metros borboleta não teve medalha, mas houve uma conquista expressiva para Débora, que baixou em quase seis segundos a marca pessoal.

“Ela foi fantástica. Baixar a marca pessoal dessa forma praticamente ninguém faz no mundo da natação. Foi impressionante”, diz o pai, orgulhoso.

Do Peru, as meninas seguiram para Londres, na Inglaterra, onde participam do Campeonato Mundial de Natação Paralímpica.

Elas só retornam a Maringá no dia 17 de setembro. Débora e Beatriz Borges Carneiro competem pela União Metropolitana Paradesportiva de Maringá (UMPM) e treinam com a equipe da Associação de Pais e Atletas da Natação (APAN Maringá).

Elas estão no topo do ranking das Américas e entre as sete principais atletas do mundo na categoria S14 – que engloba competidores com deficiência intelectual.

Treinadas pelo professor André Yamazaki Pereira, que acompanhou as duas na competição, as irmãs têm se destacado em competições no Brasil e no mundo.

Antes da competição no Peru, elas ocupavam a quarta e a sétima posição do ranking mundial na prova de 100 metros peito. Com o desempenho no Parapan, as atletas tendem a subir de posição e ficar entre as cinco primeiras.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.

Tenha acesso liberado ao melhor jornalismo da cidade. Assine o Maringá Post e fique bem informado. Saiba mais aqui.