Maringá será sede do principal evento no Brasil em comemoração à imigração japonesa. A Expo Imin 110 acontece de 19 a 22 de julho e terá a presença da princesa Mako

Por: - 4 de julho de 2018

Dos dias 19 a 22 de julho Maringá será palco da principal festa em comemoração à imigração japonesa no Brasil, a Expo Imin 110. Diversos eventos têm sido realizados em todo o Paraná para marcar os 110 anos de imigração. Em Maringá, a Expo Imin 110 contará com a presença da princesa real Mako, do Japão, e do vice-primeiro ministro, Taro Aso.

O evento deve ocorrer no Parque Internacional de Exposições ‘Francisco Feio Ribeiro’, com entrada gratuita. Quem tiver interesse em participar, precisa retirar o ingresso na entrada do evento e outros pontos do município, ainda não definidos.

A Expo Imin está sendo realizada pela primeira vez em Maringá e terá shows, exposição de produtos japoneses, animeingá, campeonato de e-esportes, apresentações folclóricas e o concurso nacional de canção japonesa com cerca de 800 cantores.

Uma das principais atrações do evento é a youtuber Ayu Brasil, intérprete da versão em português da música tema, Let it Go, do desenho de grande sucesso “Frozen”.

Segundo os organizadores do evento, a Expo Imin está com atrações voltadas para as crianças e jovens, uma vez que são eles que levam a tradição e a cultura para as próximas gerações.

O Brasil tem a maior colônia japonesa fora do Japão. O Paraná é o segundo Estado do Brasil com o maior número de imigrantes nipônicos, ficando atrás apenas de São Paulo. O dia da chegada do primeiro navio japonês Kasatu Maru em terras brasileiras é a data oficial do início imigração japonesa no Brasil.

O primeiro navio chegou em 18 de junho de 1908, com 718 lavradores que trabalhariam em fazendas do interior paulista. Hoje, estima-se que cerca de 1,9 milhão vivam no país. Desse total, 150 mil moram no Paraná, segundo informações do Consulado do Japão em Curitiba.

Yuma Kobayashi, vice cônsul-geral do Japão em Curitiba, diz que este ano a celebração é pela vinda de seus ascendentes: “É um momento muito especial para nós. Há 110 anos, os primeiros japoneses chegaram ao Brasil e desde então temos nos esforçado muito para divulgar nossa cultura e tradição pelo país. Isso vem de encontro com as comemorações que estão sendo feitas em todo o Estado”.

Os recursos para realização do evento são oriundos de patrocinadores que compraram estandes para exposição e  da Lei Rouanet, lei federal de incentivo à cultura no Brasil.

Em homenagem à data, a Comissão para Comemoração dos 110 anos da Imigração Japonesa no Brasil escolheu o tema “gratidão” e lançou o videoclipe da música Arigatô Brasil como tema oficial.

Em uma semana, o vídeo da música que mistura taikôs, tambores japoneses do Wadan Taiko Ensemble e o ritmo da escola de samba paulista Águia de Ouro , já teve quase 500 mil visualizações no Youtube. O cantor, Joe Hirata, estará presente na solenidade oficial de abertura do evento.

Maringá é co-irmã de Kakogawa há 46 anos

Desde 1972 Maringá é cidade co-irmã de Kakogawa, município no Japão. Isso significa que existe uma relação política entre elas, mas que também compartilham vocação e referências culturais semelhantes.

A população nipônica de Maringá é de 14.324 mil. Entre os dias 9 e 11 de março deste ano, uma empresa maringaense em parceria com a Riocentro, levou ao Rio de Janeiro um pedacinho do Japão, no Japan Festival Rio Matsuri.

Devido a celebração, no período de 15 a 21 de julho, Maringá terá oito hóspedes oficiais, que quer dizer que o município custeará a visita dos integrantes durante sua estadia na cidade. Entre eles o prefeito de Kakogawa, Yasuro Okada e sua comitiva.

O evento contará ainda com a presença da princesa Mako, filha mais velha do príncipe do Japão, Fumihito e neta do imperador Akihito, que deve comparecer ao evento no dia 20, para a solenidade oficial de abertura.

Princesa poliglota abre mão da realeza por amor

Princesa Mako, estudou na Inglaterra, Dublin e Edimburgo: poliglota e decidida

Mako ficou popular na imprensa internacional, recentemente, após ter declarado que irá se casar com um plebeu. No Japão, a princesa, ao se casar com um homem que não seja da realeza, precisa abdicar de seu título. Isso porque as mulheres não podem herdar o trono japonês.

Com apenas 26 anos de idade, formada em Herança Artística e Cultural pela Universidade Internacional Cristã de Tóquio, a princesa escolheu viver seu grande amor, perder o título e ser excluída da família imperial e não ficar impedida de se casar com Kei Komuro, seu grande amor.

O casamento que aconteceria em novembro desse ano, foi adiado para 2020, segundo a própria princesa, “para ter mais tempo de pensar de maneira mais profunda e concreta sobre o matrimônio e a vida depois dele”.

A princesa Mako é poliglota. Quis estudar em outros países como uma aluna norma. Para tanto, cursou mestrado em Museologia na Universidade de Leicester e, para não ser reconhecida, a Casa Imperial não informava onde estava a princesa.

Ainda na Inglaterra, Mako fez estágio como qualquer outra estudante no Museu Conventry. Também cursou outras duas universidades na Europa, uma em Dublin e outra em Edimburgo.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.