42° Femucic chega ao final neste sábado com alto nível e novo formato aprovado

28 de agosto de 2021
42° Femucic
Imagem ilustrativa / Arquivo

Considerado uma das maiores mostras da música autoral brasileira, com representantes de todas as regiões do país mostrando os mais variados estilos da canção e da música instrumental, o Festival de Música Cidade Canção, o Femucic, encerra na noite deste sábado, 28, sua 42ª edição, a primeira realizada totalmente online. O 42° Femuci já é considerado um sucesso.

O festival correspondeu à última semana do Mês da Música de Maringá, abrindo com um show do cantor Zé Alexandre na segunda-feira e continuando com a mostra todas as demais noites. Até a última apresentação, neste sábado, terão sido mostrados 36 trabalhos de 9 Estados, mas o número de participantes foi muito maior, porque esses 36 números foram selecionados entre mais de 500 inscritos.

42° Femucic
Imagem ilustrativa / Arquivo

O Femucic, realizado pela primeira vez em 1978 como Femusesc, continua sendo promovido pelo Sistema Fecomércio Sesc-Senac do Paraná e a prefeitura de Maringá, por meio da Secretaria de Cultura, além da Rede Paranaense de Comunicação (RPC) e Universidade Estadual de Maringá (UEM).

 

COMO ASSISTIR

Você vê a última noite do 42° Femucic as 20 horas NESTE LINK      ou    NESTE

 

Na pandemia, festival vai mais longe

 

Marcado por platéias torcendo apaixonadamente por um artista ou uma composição, ainda nos tempos em que o festival era de competição, e depois com aplausos para os diferentes estilos que se apresentavam no palco, já como mostra sem disputa, o Femucic passou por profunda transformação por conta da pandemia de coronavírus. O festival, que não pôde ser realizado em 2020 devido à pandemia, não seria realizado neste ano, também por causa da pandemia, se não mudasse sua forma. Sem poder juntar público – nem mesmo músicos –,  o festival de Maringá migrou do palco para a internet e se deu bem.

“Não tivemos o calor humano que marca os eventos musicais, mas o novo formato permite que o festival seja assistido de qualquer lugar do País ou do Mundo e ainda com a vantagem de a pessoa poder escolher a hora que quer assistir, pois todo o material está à disposição no YouTube e nas redes sociais da prefeitura e numa plataforma do Sesc”, diz o secretário de Cultura de Maringá, Victor Simião. “A pandemia da covid atrapalhou, mas também nos ensinou novos jeitos de fazer as coisas”.

Segundo o secretário, não há dúvidas de que o novo formato está aprovado, mas caberá aos parceiros na realização do festival decidir como serão as próximas edições, se volta para o palco, se fica na Internet ou se será híbrido.