Comunidade LGBTQIA+ faz protesto na Câmara contra veto ao uso de nome social na administração pública

15 de julho de 2021
Conselho de Direitos LGBTQIA+
Entidades da sociedade civil foram à Câmara apoiar a aprovação do conselho Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A última sessão ordinária da Câmara de Maringá referente ao 1º. Período de 2021, na manhã desta quinta-feira, será marcada por um protesto que deverá colocar mais da metade dos vereadores como homofóbicos e preconceituosos.

A manifestação está sendo convocada pelos movimentos LGBTQIA+ e na imprensa ganhou apoio de entidades e até partidos. A Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção de Maringá, por exemplo, publicou uma Nota Pública criticando a atitude de alguns vereadores.

A manifestação é para protestar contra a reprovação do Projeto de Lei 15.805/2021, de autoria do vereador Flávio Mantovani (Rede), que estabelecia o direito ao uso de nome social na administração municipal. Votaram pela reprovação os vereadores Cristian Marcos da Silva (Maninho), Rafael Roza, Cris Lauer, Delegado Luiz Alves, Paulo Biazon, Altamir da Lotérica e Alex Chaves.

A rejeição abriu uma ampla discussão nas redes sociais e nos sites de notícias de Maringá, entre eles o Maringá Post, que nas últimas horas publicou várias matérias sobre o caso.

As opiniões ressaltam as dificuldades que atingem pessoas trans e travestis para usarem o nome social. Para muitos, a negativa de mais de metade dos vereadores de Maringá é uma demonstração do caráter discriminatório da sociedade local.