Vestibulandos de outras cidades encontram restaurantes fechados e toque de recolher

20 de maio de 2021
GGI
A fiscalização será rigorosa, principalmente contra as aglomerações

Os milhares de pessoas que virão de outras cidades e mesmo de outros Estados para prestar o vestibular da Universidade Estadual de Maringá (UEM), neste domingo e segunda-feira, vão encontrar uma cidade fechada e no domingo não terão nem como almoçar porque restaurantes, bares e lanchonetes estarão fechados.

Maringá, a exemplo de outras cidades paranaenses, endureceu as normas de prevenção à covid-19 e, de acordo com decreto municipal em vigor, estabelecimentos tidos como não essenciais, não terão expediente no domingo.

É o caso dos restaurantes, bares, lanchonetes, pizzarias, sorveterias, carrinhos de lanche, food trucks, lojas de praças de alimentação dos shopping centers e outros estabelecimentos similares.

Quem precisar almoçar, jantar ou fazer um lanche simples,deve fazer seu pedido no estabelecimento e aguardar do lado de fora. Após receber sua compra, deve encontrar algum lugar onde possa comer, porém não pode estar em grupo e promover aglomeração.

Uma alternativa é o serviço de delivery, mas como o visitante não tem endereço na cidade, será difícil receber encomenda.

E a esperança de aproveitar a noite maringaense também é uma hipótese que não se realizará. Os bares não terão expediente no domingo e o Toque de Recolher começa às 22 horas.

Na segunda-feira Maringá volta a uma situação quase normal, mas aí terminam as provas e os candidatos ao vestibular retornam para suas casas.

 

Lei Seca na pandemia

“É preciso que todos os estudantes, em especial aqueles que vêm de outras cidades, observem horários dos restaurantes e, diariamente, o toque de recolher que é entre 22h e 5h. Não permitiremos aglomeração nas vias e espaços públicos, entre outras situações”, frisa o secretário de Segurança de Maringá, Ivan Quartaroli.

Também será verificado o cumprimento da Lei Seca (lei 8054), que proíbe a venda e consumo de bebida alcoólica no entorno da UEM. A proibição vale entre 20h de amanhã (21) até 24 horas após o encerramento das provas. A multa prevista na lei em casos de descumprimento é de R$ 5 mil para estabelecimentos e de R$ 500 para vendedores autônomos e apreensão dos produtos. Os estabelecimentos também estão sujeitos às autuações previstas no decreto municipal.

 

Fiscalização rigorosa

O Grupo de Gestão Integrada (GGI), formado por Policia Militar, Guarda Municipal, Vigilância Sanitária e Secretaria de Fazenda, Secretaria de Meio Ambiente, prepara uma ação conjunta especial para verificar o cumprimento do decreto municipal em prevenção ao coronavirus no final de semana.

O grupo vai dedicar atenção especial ao vestibular da UEM. Ficou definido pela intervenção em pontos de aglomeração que geram denúncias da comunidade, como a Avenida Petrônio Portela, a Rua Paranaguá, áreas em que estão os bares mais freqüentados por jovens.

Também haverá rigor nos casos de perturbação do sossego, descumprimento dos horários de fechamento dos estabelecimentos e toque de recolher. A multa pela falta de máscara de proteção ou descumprindo o toque de recolher é de R$ 1 mil cada.