Governo anuncia novo modelo de pedágio com a inclusão da PR-323 e promete tarifas menores

26 de janeiro de 2021
Novo Anel de Integração do Estado deve entrar em leilão até o final deste ano / Geraldo Bubniak / ANPr

O novo modelo de pedágio do Paraná terá 3.327 quilômetros de extensão, 834 quilômetros a mais do que o atual traçado. O Governo do Estado também prevê R$ 42 bilhões em investimentos, 1.700 quilômetros de rodovias duplicadas em até sete anos e promete tarifas mais baixas que as atuais. As informações foram discutidas em reunião na segunda-feira (25/1) e divulgadas pela Agência Estadual de Notícias.

O novo Anel de Integração do Estado, que deve entrar em leilão até o final deste ano, será divido em seis lotes com desenhos diferentes e com a inclusão de novas rodovias. Segundo o governo, na região Noroeste, a PR-323 deve fazer parte do novo modelo de pedágio. Também serão contempladas a PR-280, no Sudoeste, e a PR-092, no Norte Pioneiro.

Representantes do setor produtivo paranaense, do Governo do Estado, do Ministério da Infraestrutura e a bancada de deputados federais participaram da reunião na segunda-feira. O encontro abordou temas como a implantação de novas praças e o valor da tarifa de pedágio.

Segundo o governo, pelo projeto elaborado pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL), os valores pagos pelos usuários serão de 25% a 67% menores, dependendo da praça. Os descontos podem ser ainda maiores para os usuários frequentes e para aqueles que aderirem à cobrança automática.

Durante entrevista coletiva em setembro do ano passado em Maringá, o vice-governador Darci Piana (PSD) havia dito que o novo modelo de pedágio no Paraná teria 4,1 mil quilômetros de rodovias pedagiadas. Ele também afirmou que o novo modelo estabeleceria prazos menores para obras como de duplicação, por exemplo.

Segundo informações divulgadas pela Agência Estadual de Notícias, as obras devem ser executadas nos sete primeiros anos do contrato. A previsão é que sejam duplicados mais de 1.700 quilômetros, além de outros 253 quilômetros de faixa adicional nas rodovias já duplicadas e de 104 quilômetros de terceira faixa para apoio ao trânsito. Também devem ser construídos 10 contornos para facilitar a integração entre as rodovias, além de outras melhorias, como sinal de Wi-Fi em todos os trechos de estradas.

As audiências públicas para discutir a modelagem com toda a sociedade começam no dia 2 de fevereiro, com acesso online pelo site da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), e também presencialmente.

Os cronogramas para os encontros nas principais cidades serão divulgados na mesma data. Assim que as audiências forem finalizadas e o projeto ajustado, ele passará pela análise do Tribunal de Contas da União (TCU), para então ir a leilão na Bolsa de Valores (B3).

As novas concessões têm validade de 30 anos, sendo que os atuais contratos vencem em 27 de novembro. O projeto de concessão é composto por um modelo híbrido, com menor tarifa de pedágio, seguido de maior valor de outorga.