Maringá atinge a marca de 200 óbitos pelo novo coronavírus. Ocupação de UTIs passa de 82%

27 de novembro de 2020
Fiscais fazem a contagem de passageiros que descem do ônibus para verificar se decreto de 50% de ocupação é cumprido / Andye Iore/PMM

Com quatro óbitos confirmados nesta quinta-feira (26/11), Maringá ultrapassou o marca de 200 mortes provocadas na cidade pelo novo coronavírus.

Nesta quinta, faleceu uma mulher de 47 anos. Na quarta-feira (25/11) foram mais três mortes registradas na cidade. Morreu uma mulher de 63 anos, uma mulher de 86 anos e um homem de 66 anos.

As quatro pessoas que faleceram tinham outras comorbidades, informou a Secretaria de Saúde de Maringá. Além do aumento no número de mortes, o que tem preocupado as autoridades é o crescimento no índice de ocupação dos leitos dos hospitais.

Quando se considera os leitos gerais de UTIs adultos, com a soma das ofertas do SUS e de hospitais privados, o índice de ocupação em Maringá chega a 82,53%. Para os leitos de enfermaria, o índice geral, com a soma de ofertas do SUS e de hospitais privados, a ocupação chega a 68,32%.

A evolução de casos de Covid-19, além da ocupação dos leitos nos hospitais e das mortes e informada no site oficial de divulgação da Secretaria de Saúde, que é o notificasaude.com.br.

Para tentar conter a evolução da doença, um novo decreto foi baixado pela Prefeitura de Maringá, com várias restrições.

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Maringá também publicou nesta quinta (26/11)a portaria (nº126/2020) que recomenda a suspensão temporária de procedimentos cirúrgicos eletivos em hospitais públicos e privados do município.

O objetivo é controlar a taxa de ocupação de leitos de UTI e enfermaria e preservar o estoque de medicamentos anestésicos e relaxantes musculares.

A portaria não se aplica a procedimentos de cardiologia, oncologia, nefrologia, oftalmologia e procedimentos e exames realizados em ambulatórios, bem como procedimentos diagnosticados como urgência e emergência por médicos.

Ainda, segundo a portaria, as unidades de saúde devem realizar ações que garantam o distanciamento entre as pessoas.

A UPA Zona Norte está se adaptando para atender o aumento no fluxo de pacientes que tem procurado a unidade com suspeita de coronavírus.

A instalação de um contêiner para coleta de amostras de secreção para exame, alteração no fluxo de atendimento e instalação de tendas e cadeiras no local fazem parte dos novos protocolos da unidade.

A Prefeitura de Maringá informou que segue reestruturando os serviços da rede pública de saúde para garantir atendimento de qualidade a todos.

Equipes da Vigilância Sanitária e do Procon têm realizado a fiscalização nos ônibus do transporte coletivo da cidade para tentar garantir que seja respeitado o limite de 50% na ocupação dos veículos, conforme previsto em decreto baixado pela prefeitura.