Motoristas de ônibus decidem por recuar e suspender a greve no transporte coletivo por oito dias

Por: - 21 de setembro de 2020
Trabalhadores decidem suspender greve para negociar com empresas / Divulgação

No sexto dia de paralisação, os motoristas de ônibus das empresas Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC) e Cidade Verde decidiram por recuar no enfrentamento e suspender a greve no transporte coletivo por oito dias.

O movimento chegou a fazer uma paralisação em 100% das linhas urbanas na sexta-feira (18/9), mas a Justiça do Trabalho decidiu autorizar o uso da força policial para impedir o bloqueio da garagens das empresas e determinou que os manifestantes seguissem a determinação judicial de manter ao menos 70% da frota em circulação.

No começo da tarde desta segunda-feira (21/9), os motoristas de ônibus avaliaram a situação do movimento e decidiram pela suspensão da paralisação parcial por oito dias.

Os trabalhadores vão manter o estado de greve e podem retomar uma paralisação a qualquer momento.

De acordo com o Sindicato dos Motoristas Rodoviários de Maringá (Sintromar) a decisão de suspender a greve até a terça-feira (29/9) foi tomada com base em três motivos principais:

  • 1) A consulta da Prefeitura de Maringá ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), sobre a possibilidade de algum tipo de aporte em socorro ao transporte coletivo. Esse assunto foi discutido entre o Sinttromar e o prefeito Ulisses Maia (e equipe) na reunião de sexta (18).
  • 2) A decisão do Judiciário a respeito do dissídio coletivo, o que pode sair até sexta (25). Como não houve acordo na audiência de conciliação, no último dia 18, caberá ao Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT9) a decisão sobre o dissídio.
  • 3) O bom senso. Com a pausa na greve, o Sinttromar demonstra tanto ao Judiciário quanto ao Executivo (Prefeitura) o interesse pelo diálogo como meio de resolver um passivo criado pelas empresas, que se recusam inclusive a conceder a reposição da inflação.

“O sindicato busca o diálogo, ao contrário das empresas, que não medem esforços para tirar os direitos dos trabalhadores e que tentam inviabilizar a greve na Justiça, por meio de liminares”, comenta Emerson Viana Silva, dirigente do Sinttromar.

O movimento poderá ser retomado após o período de oito dias, caso um acordo não seja possível. A categoria reivindica a reposição da inflação na data-base – de 2,47% no acumulado de 12 meses, pelo INPC – e a manutenção de direitos, como o vale-alimentação e o pagamento da participação nos lucros e/ou resultados (PLR).

Na avaliação do sindicato, a perda dos benefícios significaria menos comida na mesa das famílias dos funcionários da TCCC e Cidade Verde. Para o Sinttromar, as empresas almejam o achatamento salarial e o corte nos benefícios como meio de repassar para os trabalhadores prejuízos decorrentes da crise causada pelo novo coronavírus (Covid-19).

Nos tempos de bonança, como lembra o presidente do sindicato, Ronaldo José da Silva, as empresas nunca se ofereceram para compartilhar os altos lucros.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.