Sem desfile ou grandes eventos abertos ao público. A comemoração dos 73 anos de Maringá

Por: - 11 de maio de 2020
Em 2020, Maringá buscou novas maneiras para comemorar o aniversário / Ricardo Matiello

10 de maio de 2020. Foi um aniversário diferente para Maringá, que completou 73 anos em meio à pandemia do coronavírus. Os grandes eventos públicos e o desfile de aniversário foram substituídos por homenagens das janelas ou pela internet.

Como protagonista, não estará a cidade, mas os profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19.

Nesses 73 anos, não há registro histórico de que eventos ou o tradicional desfile de aniversário da cidade tenha sido cancelado previamente em decorrência de alguma crise. O idealizador do projeto Maringá Histórica, Miguel Fernando, explica que o desfile deixou de ser realizado algumas vezes por questões climáticas. No entanto, o evento de 2020 foi planejado e a estrutura estava montada.

“Com uma previsão de já saber que vai cancelar [o desfile] por conta de uma situação similar a essa que estamos vivendo, não lembro de ter garimpado isso ao longo das pesquisas”, diz Fernando.

O professor do departamento de História da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Reginaldo Dias, também afirma que nunca houve impedimento como esse. “É difícil saber se houve lacuna em algum ano. Se houve, tratou-se de uma escolha entre possibilidades oferecidas pela realidade. A situação atual é diferente, não há escolha.”

Segundo Miguel Fernando, não há um estudo mapeando a quantidade de eventos cancelados ao longo da história por conta de crises de saúde, mas há o registro de um evento cancelado devido a outra doença. Em 29 de agosto de 1957, o jornal impresso da cidade noticiou o possível cancelamento do desfile de 7 de setembro em decorrência da gripe asiática.

Fernando afirma que, durante a história, Maringá realizou grandes eventos para marcar a data do aniversário. Ele conta que o primeiro desfile ocorreu em 1948 e foi organizado pela Companhia de Terras Norte do Paraná, que pretendia estabelecer 10 de maio de 1947 como início oficial da cidade. No entanto, Maringá só conquistou a emancipação política e se tornou município em novembro de 1951.

“O desfile tem muito a ver com a demarcação da iniciativa privada em ter essa primazia de ter dado o movimento para funcionamento da cidade”, explica o idealizador do projeto Maringá Histórica. Segundo ele, os desfiles ficaram registrados na memória popular.

Alguns fatos marcam o aniversário da cidade. Em maio de 1957, Maringá registrou a primeira tragédia aérea. A recém instituída Esquadrilha da Fumaça, da Força Aérea Brasileira, foi convidada para se apresentar no desfile. Mas uma das aeronaves que fazia as manobras bateu em um mastro fixado na Praça Raposo Tavares e caiu, matando os dois pilotos.

Até os anos de 1980, os desfiles eram compostos por alas temáticas. Na década de 1960, por exemplo, a cidade fez uma réplica do navio Kasato Maru, responsável por transportar os primeiros imigrantes japoneses ao Brasil em 1908.

No ano passado, pela primeira vez, o desfile de aniversário da cidade foi realizado na Avenida Tiradentes. O evento homenageou a força das mulheres na construção e desenvolvimento do município e bateu recorde de público com cerca de 4 mil inscritos.

Em 2020, no aniversário de 73 anos de Maringá, a data foi marcada pela impossibilidade de realizar eventos públicos com aglomeração de pessoas. Assista abaixo um vídeo da música “Maringá” com a participação de servidores públicos e vários convidados.

 

“É uma data muito marcante para a história de Maringá, a gente faz a análise sobre ela a partir do ponto de vista da memória. A memória costuma ficar marcada quando acontece uma situação traumática ou uma benesse muito grande. Neste caso, certamente as pessoas que estão vivendo esse momento vão lembrar de 2020 como o ano em que todo o mundo parou”, diz Miguel Fernando.

O professor do departamento de História da UEM, Reginaldo Dias, afirma que, mesmo sem comemorações, a data ficará marcada de forma expressiva na memória do município. “Talvez esse ano seja lembrado pelo conjunto da obra da municipalidade. Quando formos parar para pensar no 2020 em Maringá, estaremos refletindo sobre a efetividade das políticas de saúde para conter a pandemia e para combinar a proteção sanitária com um certo nível de atividade econômica, para que não houvesse colapso econômico.”

Mesmo com todos em casa, não significa que não vai ter festa. A aniversariante buscou novas maneiras de celebrar a data com homenagens nas redes sociais. No domingo (10/5), foram programadas “palmas nas janelas” pelo aniversário da cidade e uma live da da cantora e compositora Patrícia Borges. Assista abaixo a live.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.