Em Maringá, Ratinho Junior anuncia repasse de R$ 15,3 milhões para ativação dos 108 leitos do Hospital Universitário

Por: - 24 de abril de 2020
Governador oficializou o repasse de recursos para o HUM na manhã desta sexta-feira (24/4) / Divulgação

O governador Ratinho Junior (PSD) formalizou nesta sexta-feira (24/4) o repasse de R$ 15,3 milhões para ativação dos 108 leitos do Hospital Universitário de Maringá (HUM). A autorização do repasse financeiro foi assinada na manhã desta sexta, durante visita técnica do governador ao HUM.

Serão repassados R$ 7,8 milhões, para o período de seis meses, para criação e manutenção de 20 leitos de UTI e 88 de enfermaria. O Governo do Estado também vai investir R$ 7,5 milhões em equipamentos, mobiliário e materiais médicos para que a estrutura do HUM possa atuar no enfrentamento da Covid-19.

Ratinho Junior afirmou que não se trata de um hospital de campanha. O investimento na estrutura do HUM vai permitir o funcionamento definitivo para pacientes em geral após a pandemia de coronavírus. Neste momento, os leitos serão exclusivamente para o atendimento de pacientes com Covid-19.

“Um hospital de campanha é quando você monta e depois desmonta ele, tem um tempo programado. Esse investimento vai ficar de ativo para a UEM, a comunidade de Maringá e de toda a região, vamos ampliar o atendimento do HU. Passando essa pandemia, vamos sentar com os dirigentes das universidades e diretores do HU para fazermos um planejamento orçamentário”, disse o governador.

Durante entrevista coletiva, o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, explicou que os leitos de UTI estão instalados, 10 do governo estadual e 10 do governo federal, mas faltam os leitos de enfermaria. Segundo o secretário, com a liberação dos recursos, o HUM vai poder adquirir os equipamentos necessários em licitações de registro de preço que já foram realizadas.

A inauguração dos 108 leitos do bloco S-05 do HUM ocorreu em 2018, no apagar das luzes do governo Cida Borghetti (PP), mas o prédio foi entregue vazio. Dois anos depois, os leitos ainda continuam desocupados. Segundo a universidade, faltavam recursos para aquisição de equipamentos e mobiliário, além da urgência na liberação para contratar mais médicos, enfermeiros e pessoal de apoio.

Durante entrevista coletiva, a superintendente do HUM, Elisabete Kobayashi, afirmou que para o funcionamento de todos os leitos é necessário a contratação de 400 a 500 funcionários. No entanto, neste primeiro momento, as contratações serão escalonadas, a partir da criação dos leitos, e por meio de credenciamento.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.