UEM vai realizar em 2020 o primeiro vestibular com cotas raciais. Aulas recomeçam na universidade

Por: - 12 de janeiro de 2020
Estudantes e professores favoráveis às cotas raciais comemoram aprovação pelo CEP /Breno Thomé Ortega / Instagram @benoto

As aulas do ano letivo de 2019 foram retomadas na Universidade Estadual de Maringá (UEM) após o fim do recesso da virada do ano. As atividades do segundo semestre do ano passado terminam no dia 1º de fevereiro. Depois tem férias nos meses de fevereiro e março.

O ano letivo de 2020 começa oficialmente no dia 6 de abril, quando também é prevista a abertura das inscrições para o primeiro vestibular com cotas raciais da história da instituição.

O calendário do ano letivo de 2019 precisou passar por readequação pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP) devido à greve de professores e funcionários, em meados do ano passado.

O ano conturbado na relação dos funcionários e professores com o Governo do Paraná não impediu que o CEP aprovasse em novembro, no Dia da Consciência Negra, a criação do vestibular com cotas raciais.

O assunto esteve em pauta no CEP em 2008, porém as cotas raciais foram discutidas e rejeitadas. Na ocasião, foram aprovadas somente as cotas sociais.

O reitor Júlio Damasceno comemorou a aprovação das cotas raciais. “Assumimos na campanha o compromisso de trazer o assunto para apreciação e de darmos nosso apoio. Aprovar as cotas raciais no Dia da Consciência Negra é uma grande realização, repleta de significado”, declarou.

Para o Vestibular de Inverno de 2020, o primeiro vestibular com cotas raciais da UEM, o edital de inscrições tende a ser publicado no mês de abril, quando terminam as férias na instituição.

A previsão é que do total de vagas de cada curso, 20% sejam destinadas às cotas sociais e 20% para as raciais, dentro desse percentual ¾ das vagas vão para negros de baixa renda e ¼ ficam reservadas para negros sem esse recorte social.

Dados da Diretoria de Assuntos Acadêmicos (DAA) da UEM sobre os cerca de 17,2 mil estudantes matriculados em cursos de graduação, separados por autodeclaração de cor, mostram que os brancos são a grande maioria.

  • Brancos – 66,01%
  • Negros – 20,37% (17,39% de pardos e 2,98% de pretos)
  • Não declarados – 7,93%
  • Amarelos – 5,29%
  • Indígenas – 0,4%

Dados da Comissão de Vestibular Unificado (CVU) da UEM sobre os aprovados nos dois vestibulares mais recentes (aproximadamente 3 mil vagas), separados por autodeclaração de cor, também mostram que os brancos garantem muito mais assentos na universidade.

Vestibular de Verão 2018

  • Brancos – 74,30%
  • Negros – 19,21% (16,60% de pardos e 2,61% de pretos)
  • Amarelos – 6,40%
  • Indígenas – 0,08%

Vestibular de Inverno 2019

  • Brancos – 76,49%
  • Negros – 16,94% (14,95% de pardos e 1,99% de pretos)
  • Amarelos – 6,57%
  • Indígenas – 0%

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.