Um ano após inauguração, os 108 novos leitos do HU de Maringá ainda não receberam pacientes

Compartilhar

No final de 2018, no apagar das luzes do governo Cida Borghetti (PP), foi realizada a cerimônia de inauguração de 108 novos leitos do HU de Maringá. O Maringá Post noticiou que o espaço foi entregue estava vazio e não havia previsão de quando poderia começar a ser utilizado.

Um ano depois, os 108 novos leitos do HU de Maringá ainda não receberam pacientes e não há uma previsão oficial de quando passam a ser utilizados. De acordo com a superintendente do hospital, Elisabete Mitiko Kobayashi, existe a necessidade de fazer alguns acertos estruturais para o aproveitamento da nova ala.

Os planos da direção do Hospital Universitário de Maringá preveem a transferência de setores antigos para o novo edifício, o que vai permitir a reforma do Pronto Atendimento (PA).

A nova área do HU foi criada para funcionar como a Clínica para Adultos do hospital. São mais de 8 mil m² de área e 108 leitos. A perspectiva é que o espaço possa dobrar a capacidade de atendimento aos pacientes.

A obra teve início em 2016, na gestão do reitor Mauro Baesso, e custou cerca de R$ 18,6 milhões. Os recursos foram disponibilizados pela Secretaria de Estado da Saúde e Fundo Estadual de Saúde.

A superintendente explica que o ano de 2019 foi de muitas dificuldades, mas o hospital conseguiu sanar várias deficiências e atender muitas das exigências do Ministério Público e do Conselho Regional de Medicina (CRM).

Apenas no final de maio de 2019 é que o CRM retirou o indicativo de interdição ética do HU, decretado em 2018, dias antes da cerimônia de inauguração dos 108 novos leitos.

Desde que venceu as eleições para a superintendência do hospital no início de 2019, Elisabete Kobayashi tem defendido a contratação de mais profissionais para o hospital.

No final de 2019, o HU recebeu um tomógrafo computadorizado avaliado em cerca de R$ 2 milhões. Os recursos são do Governo Federal, a autorização para a compra é fruto de convênio entre o hospital e o então ministro da Saúde, Ricardo Barros.

O aparelho traz mais qualidade e agilidade no atendimento à população. Acesse aqui e saiba mais detalhes sobre a entrega do equipamento.

A tomografia computadorizada é um método de diagnóstico que utiliza imagens reconstruídas por meio de um computador a partir da emissão de feixes de raio X. Durante o procedimento, um tubo gira em torno do paciente de forma continua e produz as imagens.

O resultado dos exames tem mais detalhes do que a radiografia tradicional, além de permitir reconstruções em diferentes planos e imagens milimétricas do corpo humano. O exame não provoca dor, além de permitir a análise de diferentes parte do corpo, como abdômen, tórax, crânio e ossos.

O tomógrafo computadorizado, 80 canais, permitirá processamento de imagens mais rápido e com mais fidelidade / Divulgação/UEM

Compartilhar