Plano da Metrópole Paraná Norte propõe ramal da ferrovia Norte-Sul e novo aeroporto de cargas

Por: - 25 de novembro de 2019
Secretário do Planejamento, Valdemar Bernardo Jorge, em apresentação do estudo em Apucarana / Divulgação/SEPL

O Governo do Paraná, por meio da Secretaria do Planejamento e Projetos Estruturantes, entregou o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável da Metrópole Paraná Norte aos representantes das quinze cidades do eixo Londrina-Apucarana-Maringá.

O trabalho foi contratado pelo governo estadual junto ao Banco Mundial por R$ 3,5 milhões. Desde o final de 2018, foram feitas várias análises comparativas da região.

Os 15 municípios, situados ao longo das BR-369 e BR-376, e que formam a chamada Metrópole Paraná Norte concentram 1,5 milhão de habitantes e um PIB de R$ 35 bilhões, em área de área de 6.225 quilômetros quadrados. As características da região são consideradas únicas em comparação a outras metrópoles brasileiras.

O documento final com 200 páginas, que reúne estratégias e ações de desenvolvimento para o eixo Londrina-Apucarana-Maringá, foi entregue pelo secretário do Planejamento, Valdemar Bernardo Jorge, em evento realizado em Apucarana na sexta-feira (22/11).

“O plano de ação reúne 29 programas que se desdobraram em 127 ações e projetos, a serem executados em períodos de cinco, 10 e 15 anos. Ele foi elaborado pensando o Estado e a região de forma ainda mais integrada, de acordo com suas potencialidades em diversas áreas”, destacou o secretário.

Entre as principais propostas para a Metrópole Paraná Norte estão o projeto do Parque Metropolitano do Tibagi, na região de Londrina, a execução dos Contornos rodoviários de Maringá, Apucarana e Londrina, a criação de um ramal da ferrovia Norte-Sul, próximo a Maringá, além da possibilidade de implantação de um novo aeroporto de cargas na região.

Segundo o secretário Bernardo Jorge, para a elaboração do Plano foi realizada uma ampla pesquisa e diagnóstico da região, fundamentada em cinco eixos de estudo: socioterritorial, meio ambiente, infraestrutura, economia e institucional, que culminaram na construção de cenários e visão de futuro para a região até 2035.

Nos 19 meses de elaboração, o Plano passou por cinco etapas. Foram realizadas 20 reuniões técnicas, 21 oficinas participativas e quatro audiências públicas que envolveram mais de 700 pessoas.

O objetivo é criar um grande corredor de desenvolvimento sustentável e integrado, que ligará as cidades de Arapongas, Rolândia, Cambé, Londrina, Ibiporã, Jataizinho, Apucarana, Paiçandu, Maringá, Sarandi, Marialva, Mandaguari, Jandaia do Sul, Cambira e Mandaguaçu.

A partir de agora, vai ser formado um comitê de coordenação da Metrópole Paraná Norte. O Comitê de Coordenação do Eixo Paraná Norte vai ser composto por um conselho participativo, com vagas para os prefeitos de Londrina, Apucarana e Maringá, mais três prefeitos dos demais municípios, dois representantes do Governo do Estado, um da sociedade civil organizada e um do setor empresarial.

As diretrizes e sugestões de obras estruturantes vão ser avaliadas e podem ser viabilizadas com recursos de bancos internacionais, mediante parceria com o Governo do Paraná e os municípios.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.