Aumenta o número de casos de caxumba em setembro e jovens criam alarde em rede social

Por: - 3 de outubro de 2019
Imagem ilustrativa / medicoresponde.com.br

Maringá registrou 45 casos de caxumba no mês de setembro de 2019. O número é três vezes superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram registrados 15 casos. O aumento repentino tem provocado alvoroço nas redes sociais, principalmente por conta de uma grande festa universitária que vai ser realizada no fim de semana (5/9).

Com a aproximação do JOIA, evento que proporciona integração por meio do esporte entre as diversas atléticas, entidades responsáveis em promover e coordenar a parte esportiva de cada curso ou centro acadêmico das faculdades de Maringá, começaram a circular nas redes sociais a notícia de um possível surto de caxumba em Maringá.

A Secretaria de Saúde do município afirma não haver surto no município e critica a divulgação de informações sobre a doença sem embasamento. “Essas coisas são espalhadas de uma forma nada saudável e podem trazer problemas sérios e assustar a população. As pessoas já estão assustadas com o sarampo“, diz a responsável pela equipe de Vigilância Epidemiológica, Jussara Cavalcante de Souza Titato.

Print de tweet que menciona suposta epidemia de caxumba

 

Print de tweet que menciona suposto surto de caxumba

Ao contrario do que dizem os tweets, a situação de Maringá em relação a caxumba é melhor do que a registrada no ano passado. Segundo dados divulgados pelo setor de epidemiologia da Secretaria de Saúde, até setembro de 2019 o número de casos registrados na cidade é 53% menor do que em 2018.

Sobre o aumento repentino de casos em setembro, Jussara explica que “toda mudança de temperatura brusca sujeita o surgimento de doenças. Sabemos que estamos em uma fase de transição, isso acontece. Tem caxumba o ano todo”. Para se prevenir da doença a especialista ainda diz que a única maneira é a vacinação.

A vacina que as pessoas devem tomar é a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. A recomendação é a mesma para o controle do sarampo. A população que não tenha duas doses da vacina tríplice, tomadas após um ano de idade, deve comparecer a um posto de vacinação para fazer a atualização da carteirinha de vacinação.

Mesmo com as duas doses da vacina, existe a possibilidade de contrair o vírus. Entretanto, a especialista afirma que a doença vai ser mais amena do que nas pessoas que não tomaram as duas doses.

Nas redes sociais, além da falsa divulgação de um surto em Maringá, a possibilidade de propagação da doença é tratada com ironia e brincadeiras.

Print de tweet que menciona caxumba em Maringá

Print de tweet que menciona caxumba em Maringá
Print de tweet que menciona caxumba em Maringá

Até o fechamento dessa reportagem os quatro tweets mais famosos sobre caxumba na cidade marcaram 332 retweets [compartilhamento] e 1.047 curtidas.

Saiba mais sobre a caxumba

A caxumba é uma doença viral aguda e é caracterizada por febre e aumento no volume de uma ou mais glândulas salivares. Geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares.

Em até 30% dos homens adultos pode ocorrer a orquiepididimite, que é quando a doença envolve os testículos. Em 5% das mulheres, pode ocorrer ooforite, envolvendo o ovário. Aproximadamente 1/3 das infecções pode não apresentar aumento clinicamente aparente da glândulas.

A doença pode ser transmitida por via aérea, através disseminação de gotículas, ou por contato direto com saliva de pessoas infectadas. O vírus pode ficar incubado de 12 a 25 dias, sendo, em média, 16 a 18 dias.

O período de transmissibilidade varia entre 6 e 7 dias antes das manifestações clínicas, até 9 dias após o surgimento dos sintomas. O vírus ainda pode ser encontrado na urina até 14 dias após o início da doença.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.