Prefeitura de Maringá propõe investimento de R$ 629,9 mil para identificar placas de veículos e parabenizar motoristas

Por: - 29 de maio de 2019
Medidor de velocidade instalado na Avenida Euclides da Cunha, no entorno do Bosque 2 / Google Street View 2015 / Google 2019

A Prefeitura de Maringá está disposta a gastar até R$ 629,9 mil por ano para locação de 21 equipamentos capazes de identificar placas de veículos em tempo real e conscientizar os motoristas e motociclistas sobre a velocidade máxima permitida para a via. Quem trafegar dentro das regras, vai ser parabenizado.

O edital de licitação para locação dos equipamentos vai ter as propostas das empresas interessadas abertas no dia 1º de julho. O investimento tem como foco a segurança pública e a conscientização do trânsito, além de permitir o monitoramento do tráfego.

Em relação à segurança, um dos aspectos mais importantes é que os 21 equipamentos precisam ter capacidade de enviar em tempo real os dados e imagens dos veículos. E, no caso de identificar placas de veículos com queixa de furto ou roubo, tenham a capacidade de informar sobre as restrições e disparar alarmes.

Os registros também vão ficar armazenados e tendem a auxiliar em investigações sobre locais onde veículos suspeitos possam ter circulado. O software que for usado, por exemplo, vai ter que permitir a visualização em “um mapa da cidade, das marcações dos locais onde o veículo passou.”

Em relação ao tráfego urbano, os 21 equipamentos, se instalados em locais estratégicos, vão permitir que as autoridades de trânsito estudem melhorias para a mobilidade.

A licitação prevê que o sistema permita a contagem de tráfego de todos os veículos da via a cada 15 minutos, por hora, e com o volume diário médio de veículos que passam pelo local. As informações vão ser disponibilizadas pela empresa em relatórios que vão ser encaminhados à Secretaria de Mobilidade Urbana.

Dentro da licitação, foi determinado que não vai ser permitido usar detectores de velocidade que necessitem do corte da pista de rolamento para serem implantados.

Mas os equipamentos precisam ter um sistema eficaz de controle de velocidade, inclusive com a devida aferição do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem), assim como ocorre com os radares.

Em relação ao controle de velocidade, os equipamentos vão ter caráter educativo. O edital informa que o equipamento vai precisar exigir a mensagem “Parabéns” na cor verde para quer circular abaixo da velocidade permitida. Também vai haver uma mensagem “Atenção”, na cor amarela, e a mensagem “Perigo”, na cor vermelha, para alertar os motoristas.

A trânsito de Maringá conta com alguns equipamentos focados apenas na conscientização. Um exemplo é o medidor de velocidade instalado da Avenida Euclides da Cunha, no entorno do Parque dos Pioneiros, também conhecido como Bosque 2.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.