Trote solidário da UEM tem reforma em casa de abrigo, gravação de livros para deficientes auditivos e terá dia de doação de cabelo

Em meio às aulas, os calouros da Universidade Estadual de Maringá (UEM) têm participado de ações solidárias. As atividades fazem parte do Trote Solidário 2018, que este ano passou a ser incentivado pela instituição com uma premiação em dinheiro.

O centro acadêmico de História Nadir Aparecida Cancian (CAHNAC), por exemplo, decidiu criar uma audioteca. Além de textos gravados pelos calouros, os estudantes passaram a incentivar outras pessoas a participar de forma voluntária.

Os audiotextos serão disponibilizados para os deficientes visuais atendidos pelo Programa Multidisciplinar de Pesquisa e Apoio à Pessoa com Deficiência e Necessidades Educativas Especiais (Propae).

Os áudios gravados serão organizados e disponibilizados por meio digital no sistema Drive, conjuntamente com o Propae.

A campanha se encerra na sexta-feira (6/4). Até lá, qualquer pessoa pode gravar o conteúdo de uma poesia ou um livro de literatura. A gravação pode ser feita pelo celular e encaminhadas para os estudantes pelo e-mail: [email protected]

Trote solidário com doação de cabelo

O curso de Medicina da UEM decidiu criar a campanha “Corte, Doe, Ajude!”. A iniciativa será realizada no domingo (8/4) na ala de Oncohematologia do Hospital Universitário de Maringá (HU).

A ação visa a arrecadar mechas de cabelo para a produção de perucas. A produção será  doada a pacientes com câncer e será realizada em parceria com o Instituto Davi Moretti Lazarin. Para fazer a doação, são necessários no mínimo 15 cm de madeixas.

A intenção é ajudar na restauração da autoestima e autoconfiança dos pacientes que, devido ao tratamento quimioterápico, apresentam a queda de cabelo.

A campanha vai contar com a presença de profissionais especializados e estrutura necessária para realizar o corte e preparo da doação das mechas para a confecção das perucas.

Também podem ser doadas mechas de cabelo já cortadas. A Oncohematologia fica no  Hemocentro, anexo ao HU, na Avenida Mandacaru, 1590.

Estudantes fazem reforma de abrigo em Sarandi

Junto aos veteranos, os calouros do curso de Arquitetura e Urbanismo da UEM fizeram a reforma do prédio do Programa de Acolhimento Infantil Municipal (PAIM), em Sarandi. O local funciona como casa de abrigo de crianças e adolescentes de 0 a 17 anos que ficam sob os cuidados do Conselho Tutelar.

A reforma, em sistema de mutirão, incluiu a pintura de cinco quartos, além de pintura da sala de brinquedos, da área interna que abriga sala de TV e refeitório, do pátio coberto e aplicação de estêncil como barrado.

Os estudantes também pintaram o muro externo com a configuração de mural com uma nova identidade visual. E fizeram a retirada de brinquedos do parquinho quebrado.

Além das atividades feitas nos dias 24 e 25 de março, os calouros providenciaram a troca integral de todas as portas quebradas, substituição de fechaduras e instalação de uma cuba (fornecida pela UEM).

No abrigo, foi projetada uma cozinha interativa para o uso das crianças, sem elas entrarem em contato com facas afiadas e botijão de gás.

A ação incluiu, ainda, a troca de lâmpadas, substituição de azulejos quebrados por novos, assentamento de azulejos em áreas úmidas e correção de buracos no muro.

Com apoio de uma empresa parceira, o projeto Trote Solidário garantirá a troca dos estofados de todos os sofás da Casa de Acolhimento. Veja aqui a galeria de fotos da ação dos estudantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *