Vão os anéis, ficam os dedos, diz Almir Sater sobre seu avião roubado em aeroclube

7 de setembro de 2021
vão os anéis
Almir Sater sabe que seu Cessna já deve estar na Bolícia Foto: Divulgação

O cantor, compositor e mais famoso violeiro do Brasil na atualidade,
Almir Sater, lamentou o furto de seu avião Cessna 182, no Aeroclube de Aquidauana, Mato Grosso do Sul, mas já deixou claro que isto não é suficiente para fazê-lo sofrer.

Em entrevistas, ele disse que “bens materiais, a gente trabalha. Mas, espero que seja recuperado. Se não, vão os anéis e ficam os dedos”.

O avião foi roubado na madrugada de segunda-feira, quando um grupo de cerca de 10 pessoas armadas invadiu o aeroclube, renderam os dois seguranças e os obrigaram a abastecer três aviões de pequeno porte. Depois, deixaram os guardas amarrados com cordas e assumiram o controle de três aviões, levantaram vôo com destino desconhecido.

Roubos de aviões de pequeno porte em municípios próximos às fronteiras ocorrem com certa frequência, principalmente no Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia, que fazem fronteiras com o Paraguai e a Bolívia. O objetivo dos ladrões não é vender a aeronave, mas utilizá-lo no tráfico de cocaína vinda da Bolívia e Colômbia.

Um dos aviões levados era o Cessna 182 de Almir.