Tartarugas terrestres – o jabuti

Tartarugas terrestres

Distribuição Geográfica:
Do leste dos Andes dentro do Choco da Colômbia até o leste do Panamá. Ao sul, a espécie abrange a região Amazônica (próximo ao Rio Xingú), Zona da Mata Nordestina, Cerrado Brasileiro, Pantanal Mato-grossense e Mata Atlântica, no Estado do Rio de Janeiro.

Cor e forma:
Carapaça negra, com uma pequena área amarela clara em cada escudo. Plastrão amarelo-ocre com grandes áreas negras contornando as suturas.

A pele é negra-acinzentada e as escamas da cabeça são vermelhas. As escamas dos membros são negras e os osteodermos (escamas mais grossas e evidentes) são vermelhos. O escudo gular do jabuti piranga não se projeta para frente do escudo nucal da carapaça. A sutura interumeral é mais curta que a interfemural. Os escudos inguinais do plastrão são muito grandes e visíveis. As escamas pré-frontais da cabeça são curtas.

Dimorfismo sexual: Machos apresentam uma concavidade no plastrão e possuem a cauda mais grossa e maior, além de apresentarem uma ligeira constrição na carapaça.

Reprodução: Quando vêm chegando a época da reprodução, os machos ficam mais circunspectos e fazem movimentos com a cabeça no sentido de afastar outros machos.

A corte se dá da seguinte maneira: o macho cheira a região cloacal da fêmea. Se esta o aceitar, ele sobe em sua carapaça, com a cauda arqueada no sentido de introduzir o pênis na cloaca da companheira. Iniciada a cópula, o macho movimenta repentina e freneticamente sua cabeça de um lado para o outro e emite grunhidos enquanto copula.

O tamanho da ninhada varia de 5 a 15 ovos postos de Julho a Setembro. Os filhotes nascem depois de três meses e meio. Mesmo em cativeiro os ovos são enterrados a poucos centímetros de profundidade ou simplesmente depositados num ninho de folhas ou folhiço. O tempo de incubação é bastante demorado, cerca de quatro meses. Os filhotes nascem com cerca de cinco centímetros.

Alimentação: A dieta do jabuti é basicamente onívora, alimentando-se preferencialmente de folhagens escuras, carcaça de animais mortos, anelídeos. No cativeiro comem diariamente ração específica para quelônios terrestres, para quelônios lacustres, verduras como agrião, rúcula, brócolis, folhas de beterraba, brotos de alfafa. Tudo isso deve fazer 50% da sua dieta. Legumes:  beterraba, cenoura, abóbora picadas compreendem 35% da dieta. 15% deve consistir de frutas. Uma vez por semana, pode alimentar o animal com 5% da dieta em carne de peixe ou outra proteína de alto valor biológico, como clara de ovo (apenas a clara).

Habitat: São quelônios que habitam mais o cerrado e florestas. Áreas com vegetação rasteira, gostam de pastejar.

Tamanho: Atingem, usualmente, 35 cm de comprimento.