Nefrite – doenças renais em gatos

Nefrites

O rim é o órgão responsável pela filtragem do sangue do organismo. Ele retém substâncias importantes, como as proteínas e alguns minerais, e elimina junto com a água resíduos e produtos tóxicos resultantes do metabolismo, como a uréia. Quando o filtro não funciona bem, esse mecanismo de seleção do que é bom ou mal para o organismo fica comprometido. Uma outra função muito importante do rim é secretar uma substância responsável por estimular a medula óssea a formar sangue.

O rim é o órgão responsável pela filtragem do sangue do organismo. Ele retém substâncias importantes, como as proteínas e alguns minerais, e elimina junto com a água resíduos e produtos tóxicos resultantes do metabolismo, como a uréia. Quando o filtro não funciona bem, esse mecanismo de seleção do que é bom ou mal para o organismo fica comprometido. Uma outra função muito importante do rim é secretar uma substância responsável por estimular a medula óssea a formar sangue.

A nefrite é uma alteração inflamatória do rim, que perde total ou parcialmente a sua capacidade de filtragem. A nefrite pode ser aguda ou crônica.

A nefrite aguda é um quadro de aparecimento súbito, normalmente causada por uma infecção renal. Essa infecção pode ter se iniciado com uma simples cistite (infecção na bexiga), que, quando não tratada, pode atingir os rins. Os sinais clínicos da doença são apatia, vômitos, falta de apetite e anúria, ou seja, o animal não urina ou urina pouco.

Nem sempre todos esses sinais estão presentes, mas a falta de urina é um alerta. Uma vez que o “filtro” não está funcionando corretamente, produtos tóxicos como a uréia (resultado do metabolismo das proteínas) não são eliminados, intoxicando o organismo, daí os vômitos. Exames de urina e sangue irão confirmar o diagnóstico da nefrite e, após o início do tratamento (antibióticos, diuréticos, etc.), o rim volta a funcionar normalmente na grande maioria dos casos.

A nefrite crônica é um quadro bem mais preocupante, pois nela a maior parte do rim está lesado e sem capacidade de regeneração. Ao contrário da nefrite aguda, o quadro crônico caracteriza-se por uma produção excessiva de urina, pois o rim não consegue reter a água e substâncias importantes ao organismo, mas retém os produtos tóxicos. Assim, teremos um animal desidratado, com emagrecimento progressivo, que urina grandes quantidades a todo o momento e ingere muita água. Ocorrem os vômitos, falta de apetite e apatia. O rim passa a não produzir mais a substância que estimula a medula a produzir glóbulos vermelhos (eritropoetina). O animal apresenta um quadro de anemia. O desequilíbrio orgânico causado pela falência renal será permanente, uma vez que o rim não tem capacidade de se regenerar.

O maior problema da nefrite crônica é a retenção de uréia, que é altamente tóxica. Sinais comuns desse quadro de elevação da uréia são o odor e úlceras (feridas)
na boca do animal. A uréia pode atingir o sistema nervoso, causando sinais neurológicos como convulsões. Em alguns países, é feita a hemodiálise nos animais (filtragem
do sangue através de aparelhos). Na verdade, o tratamento para a nefrite crônica visa dar condições ao animal para que ele tenha uma sobrevida.