Doenças em tartarugas – Doença ósseo-metabólica

Doença óssea-metabólica

SEMPRE que um animal ficar doente, ele deve ser submetido à avaliação de um médico-veterinário. Desta forma, não será abordado aqui nem diagnóstico, fisiopatologia, muito menos terapêutica dos quelônios. Isso sempre deve ficar à competência do profissional. Destacamos algumas características de enfermidades que são comuns no cativeiro, para que o proprietário que possui um quelônio tenha discernimento para levar seu animal a uma consulta veterinária.

A doença óssea-metabólica ocorre primeiramente por deficiência de cálcio na dieta do animal. Ou por deficiência da produção de vitamina D3  pela pele do animal. A deficiência de vitamina D3 é verificada pela ausência de exposição do animal à luz ultravioleta (UVB).

Em linhas gerais, a luz UVB estimula as células basais da pele do animal a transformarem o colesterol em colecalciferol. Este, por uma série de reações de hidroxilação envolvendo o fígado e o rim é transformado na forma metabolicamente ativa da vitamina D3. A vitamina D3 é responsável pela absorção dos íons cálcio na luz do intestino delgado. Desta forma, se o animal não produzir D3, ele não absorve cálcio. Se ele não comer uma alimentação adequada em cálcio, vai procurar retirar esse cálcio de outra fonte do organismo, pois o cálcio é vital para as trocas da célula com o meio, contração muscular (principalmente a musculatura cardíaca).

Desta forma, o animal não pode ficar sem íons cálcio no organismo. O metabolismo do cálcio no organismo do animal é controlado pela tireoide e paratireoide, produzindo hormônios que inibirão ou estimularão a reabsorção óssea. A deficiência de cálcio no sangue do animal (hipocalcemia) estimula a paratireoide a produzir seu hormônio (PTH) e este hormônio estimula a reabsorção óssea. Quando o animal atinge seus níveis adequados de íons cálcio no sangue, a tireoide entra em ação produzindo calcitonina para inibir a reabsorção óssea. Desta forma, a doença óssea metabólica (raquitismo) é produzida pela alimentação baseada em somente verduras pobres em cálcio ou carne bovina (relação Ca/P muito baixa: 1:40). As doenças dos rins, fígado também prejudicam a síntese de vitamina D3, então o animal não absorve cálcio, o que acontece também na doença dos intestinos. Doenças na tireoide ou paratireoide prejudicam o metabolismo do cálcio no organismo.

A tartaruga com doença óssea-metabólica fica apática, sem fome, com o casco bastante amolecido, quase emborrachado. Têm fraturas espontâneas, deformações nos membros e casco e em casos mais graves, tetania e morte por hipocalcemia. O diagnóstico acurado se faz com uso de radiografia. Necessitam de um cuidado médico intenso, com suporte nutricional, injeções de compostos de cálcio, hidratação.

É um tratamento demorado, pois o processo é crônico. Muitas vezes, requer internação do paciente.