Catarata em cachorros

Novas tecnologias e procedimentos permitem o diagnóstico e a terapia cada vez mais cedo para cura de problemas oculares em pets, como a catarata em cachorros.

Desde o século XI, procuram-se métodos para restituir a visão de pacientes humanos cegos pela catarata. Nessa remota época, tentava-se deslocar o cristalino opacificado com uma agulha, abrindo assim uma “janela” para a visão. Graças ao avanço da tecnologia e dos tratamentos na medicina humana e veterinária, é possível contar com procedimentos cada vez menos traumáticos para tratar os olhos e conseguir melhores métodos para recuperar a visão do homem e do pet.

Catarata em cachorro

A catarata, nome dado para a opacidade no cristalino (a lente do olho), está ligada à herança genética ou aos males sistêmicos, que alteram o metabolismo nessa região, como a diabetes. Ela é relativamente frequente entre os cães de raça, como Poodle, Cocker Spaniel, Schnauzer, entre outras. “Quando a opacidade do cristalino é total, em ambos os olhos, o cão não consegue mais enxergar. Nos gatos, essa condição é mais rara”, explica a médica veterinária Cíntia A. Lopes Godoy-Esteves, especialista em oftalmologia do Hospital Veterinário Santa Inês.

Outro ponto importante é que, até alguns anos atrás, para a realização da cirurgia havia a necessidade de a catarata estar hipermadura (bem branca), já que era feita a retirada do cristalino inteiro, por meio de uma incisão na córnea de mais de 1,0 cm.

“Hoje, com a utilização do método de facoemulsificação, podemos realizar a quebra e aspiração do material lenticular por uma incisão de apenas 2,5 mm. Isso quer dizer que a cirurgia pode ser realizada em qualquer fase da catarata, desde muito inicial, incipiente, até bem madura”, completa Cintia. O método tem uma alta taxa de sucesso, com aproximadamente 95% de chance de recuperação da visão. Além disso, da mesma forma que no homem, é possível inserir uma lente intraocular, que irá melhorar a qualidade visual após a cirurgia.

Para o animal ser submetido ao procedimento, porém, é preciso ter certeza de que a cegueira é consequência apenas da catarata e que não há outras alterações oculares intercorrentes. No caso da atrofia de retina, por exemplo, a retirada do cristalino opaco não restabelece a visão, porque a retina não está mais funcional. Segundo a veterinária, a detecção precoce de problemas oftalmológicos e o acompanhamento por um especialista são primordiais, já que muitas doenças não são diagnosticadas sem a realização de exames específicos. “A visita anual ao oftalmologista é recomendada mesmo na ausência de sintomas visíveis de doenças, cujo início pode ser silencioso para o proprietário e até mesmo para o veterinário generalista.”

De maneira geral, as avaliações das estruturas oculares são bem parecidas com as realizadas no homem. São feitas as medições da pressão intraocular e da produção de lágrima, além da utilização de corantes específicos para identificar lesões. Há também exames mais sofisticados nessa área, como a ultrassonografia dos olhos e a avaliação da retina.

Fonte: Hospital Veterinário Santa Inês

Webanimal é um portal de informações voltado aos proprietários de animais de estimação, feito exclusivamente por veterinários, sob a direção da médica veterinária Silvia Parisi (CRMV SP 5532).