Adestramento do Cão-Guia de Cegos

Adestramento do Cão-Guia de Cegos

O trabalho do cão guia de cegos nos mostra o quanto os animais podem ser úteis ao homem. Mas será que todos os cães têm essa aptidão?

Adestramento do Cão-Guia de Cegos

A escolha do filhote

O filhote tem que ser saudável e meigo, sem ser tímido ou líder. O equilíbrio de temperamento é fundamental. O animal deve ser criado com sociabilização, ou seja, na convivência com pessoas, animais diferentes e lugares barulhentos, pois serão situações
que ele enfrentará no seu dia a dia. Desde cedo, o cão deve ser ensinado a fazer suas necessidades fisiológicas (cocô e xixi) nos lugares certos.

Atualmente as raças utilizadas no mundo inteiro são: Retriever do Labrador, Golden Retriever, Collie (pelo longo ou curto), Boxer, Bouvier des Flandres e pastor alemão. Essas raças possuem temperamento, tamanho e características adequadas para a função. Entretanto, o que importa não é a raça, mas sim o CÃO.

Macho ou fêmea?

Tanto machos quanto fêmeas podem ser usados como cães guias, porém, devem ser castrados (principalmente os machos).

O adestramento

A educação começa desde os primeiros dias que é a parte de sociabilização com pessoas, animais e situações inusitadas. A partir do 3o. mês, começa a obediência básica (sentar, deitar, andar junto, etc..) e a partir do 7o. mês, a obediência adiantada (adestramento na rua, obstáculos de altura, largura e travessia de sinais). Aos 12 meses se inicia o adestramento para condução inteligente, ou seja, o cão deve desobedecer uma ordem dada pelo dono, ao observar o perigo.

O treinamento do cão guia é bastante peculiar, pois o animal não vai conduzir somente em uma pista de obstáculos. Ele ter que estar apto para guiar nas ruas de uma cidade, portanto, tem que ser treinado nas ruas, conviver com uma família, conviver pacificamente com crianças e outros animais, sem se desconcentrar enquanto estiver guiando.

Na Europa, existem os “puppy-walkers”, que são voluntários que criam os filhotes até estarem completamente adestrados e prontos para serem entregues aos cegos. Já no Brasil, esse tipo de serviço foi tentado, mas uma quantidade significativa de pessoas se negava a entregar os cães por terem criado um grande vínculo afetivo com o animal.

Tempo de serviço

Os cães guias podem ser usados na condução até 8 anos de idade. A partir daí, observa-se um declínio do rendimento do cão, além do cão ser considerado idoso e sujeito às doenças da idade. Ao se aposentarem, normalmente continuam com o cego, pela amizade que é criada ao longo dos anos. Já na Europa, após os 8 anos de idade, o cego doa seu cão a famílias que adotam cães guias aposentados, e adquire um novo companheiro.

Legislação No Brasil, existe uma lei federal que permite o acesso de cães guias a todos
os lugares públicos, quando em serviço.

Associação Cão Guia de Cegos – SP