Maior jardim botânico do mundo terá um brasileiro como diretor de ciência

Por: - 19 de março de 2019

O Royal Kew Gardens, localizado em Londres, na Inglaterra, anunciou recentemente a contratação do brasileiro Alexandre Antonelli como diretor de ciência da instituição. A missão do professor será aproximar a comunidade científica e o público da mais completa coleção de plantas e fungos do planeta. O novo diretor terá até 2020 para finalizar este importante projeto.

“Quanto mais informação a sociedade tiver, maior será a sua preocupação com a preservação do meio ambiente”, disse Antonelli, em entrevista à emissora de rádio RFI, da França. A ideia é usar o banco do Royal Kew como base para a criação de um aplicativo para smartphone, onde qualquer usuário possa consultar imagens e obter informações sobre a distribuição e uso das espécies.

De acordo com o novo diretor, a plataforma poderá ser utilizada por especialistas e também por leigos, como por exemplo, para pesquisar se determinada espécie é comestível ou venenosa.  Além disso, poderá ser explorada nas escolas, para que desde cedo as crianças aprendam sobre a importância da biodiversidade e sua preservação.

Embora já existam aplicativos semelhantes disponíveis, inclusive um criado pelo próprio Antonelli e sua equipe sueca, o cientista afirma que o alcance ainda é relativamente restrito.

O Kew Gardens tem cerca de sete milhões de plantas e mais de um milhão de fungos catalogados. Mais de 40 mil espécies são cultivadas nos jardins abertos à visitação pública. Antonelli deverá coordenar cerca de 300 pesquisadores. “É o maior jardim botânico do mundo. Tanto em termos de suas coleções de plantas e fungos acumulados durante a sua história de quase 260 anos quanto pelo número de pesquisadores. Por isso, é a instituição botânica mais importante para pesquisa internacional. Existem, por exemplo, ótimas relações com universidades brasileiras e um grande intercâmbio entre estudantes e pesquisadores entre os dois países”, declara.

Alexandre Antonelli é natural de Campinas (SP) e comanda o maior centro de pesquisas ativas da Suécia, do qual é fundador.  O foco do seu trabalho é a proteção das espécies em função das mudanças climáticas do planeta e da devastação do meio ambiente. Antonelli dedicou sua carreira à pesquisa de campo e à busca por espécies ameaçadas, em expedições por quase todos os países da América Latina, onde identificou maior deterioração dos biomas.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.